Publicidade

Correio Braziliense

Mourão volta a criticar o 13° salário: 'Todos saímos prejudicados'

O vice na chapa de Jair Bolsonaro (PSL), general Hamilton Mourão, voltou a criticar o direito trabalhista, segundo jornal. Declaração anterior sobre o tema gerou conflitos com Bolsonaro


postado em 02/10/2018 14:48 / atualizado em 02/10/2018 15:15

(foto: Luiz Chaves/Palácio Piratini)
(foto: Luiz Chaves/Palácio Piratini)
 
O vice na chapa presidencial de Jair Bolsonaro (PSL), general Hamilton Mourão (PRTB) voltou a criticar o 13° salário nesta terça-feira (2/10).
 
Instigado a explicar uma declaração anterior sobre o tema, feita na semana passada, Mourão disse: "O 13° eu simplesmente disse que tem que ter planejamento, entendimento de que é um custo. Na realidade, se você for olhar, seu empregador te paga 1/12 a menos (por mês). No final do ano, ele te devolve esse salário. E o governo, o que faz? Aumenta o imposto para pagar o meu. No final das contas, todos saímos prejudicados", afirmou o militar no aeroporto de Congonhas, em São Paulo. 

A declaração foi dada à Folha de S. Paulo. Segundo o jornal, o candidato a vice continuou a dizer que “se você recebesse seu salário condignamente, você economizaria e teria mais no final do ano". 
  
Esta não é a primeira vez que o general faz críticas ao direito trabalhista, previsto na cláusula pétrea da Constituição. Em 27 de setembro, Mourão questionou o 13° durante uma palestra no Rio Grande do Sul, como noticiou em primeira mão o Blog da Denise, do Correio Braziliense. A repercussão foi negativa e a agenda pública do vice foi cancelada até o primeiro turno das eleições, em 7 de outubro.
 
Na ocasião, Bolsonaro escreveu em sua conta do Twitter que o 13° está previsto no artigo 7° da Constituição, e criticá-lo seria, “além de uma ofensa a quem trabalha”, uma demonstração de desconhecimento da lei. 

 
"Acordo nacional" 

Nesta terça, Mourão afirmou que sabe que se trata de um direito garantido. "Não pode acabar. O que eu mostrei é que tem que haver um planejamento. Você vê empresa que fecha porque não tem como pagar. O governo tem que aumentar imposto e agora já chegou no limite, e não pode aumentar mais nem emitir títulos. Uma situação complicada."
 
O general também falou que a única possibilidade de mexer no direito seria um "amplo acordo nacional para aumentar salários".

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade