Publicidade

Correio Braziliense

Bolsonaro lamenta a prisão de Lula ao falar a eleitores do Nordeste

Declaração foi feita durante entrevista a uma rádio. Bolsonaro disse ainda que Lula poderia ter 'marcado a história', mas 'colheu o que plantou'


postado em 04/10/2018 13:54 / atualizado em 04/10/2018 14:16

(foto: EVARISTO SA)
(foto: EVARISTO SA)

Ao iniciar nesta quinta-feira (4/10) uma ofensiva para angariar votos no Nordeste, região em que tem o pior desempenho segundo as pesquisas de intenção de voto, o candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL) disse lamentar a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "Eu lamento (...), mas ele colheu o que plantou", afirmou o militar reformado à Rádio Jornal do Commercio de Pernambuco. Bolsonaro também disse que era para Lula ter sido um "grande presidente" e que era para "ter marcado a história", se não tivesse seguido por outro caminho.

 

O Nordeste é a única região na qual Bolsonaro aparece atrás de Fernando Haddad (PT) nas pesquisas. Segundo o Ibope, o capitão lidera as intenções de voto no quadro nacional com 32%, enquanto o ex-prefeito de São Paulo aparece com 23%. No Nordeste, entretanto, o petista tem 36% das intenções de voto, contra 21% do candidato do PSL. 

 

Na entrevista, que durou 15 minutos apenas, por recomendação médica, Bolsonaro se disse confiante em conquistar mais votos na região. "A grande surpresa positiva nessas eleições, para mim, virá do Nordeste. Temos hoje uma aceitação maior do que o Aécio (Neves) tinha contra Dilma", afirmou. Pelo Twitter, o presidenciável disse que o "Brasil é um gigante hoje" pela força da população do Nordeste. 

 

Sobre os governadores petistas no Nordeste, Bolsonaro disse que "não teria problema nenhum" em governar com eles. Questionado sobre o papel de Paulo Guedes, apontado como seu provável ministro da Fazenda caso vença, o candidato disse: "O presidente será eu". Também garantiu que não haverá volta da CPMF, proposta apresentada por Guedes para resolver o rombo da Previdência. 

 

Com informações da Agência Estado 

 

 

 

 

 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade