Publicidade

Correio Braziliense

John Oliver sobre Bolsonaro: 'Não deixe esse cara atirar na sua democracia'

O apresentador reservou 20 minutos do popular programa Last Week Tonight para analisar as eleições presidenciais brasileiras, colocando o candidato do PSL como o 'Trump Brasileiro'


postado em 08/10/2018 15:17 / atualizado em 08/10/2018 15:20

(foto: Divulgação/ Youtube)
(foto: Divulgação/ Youtube)
 
O apresentador do Last Week Tonight — ganhador do Emmy de melhor programa televisivo em 2018 —, John Oliver, reservou uma parte significativa de seu programa exibido no domingo (7/10) para comentar a eleição presidencial brasileira, que colocou Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) na disputa do segundo turno.
 


Enquanto o programa era exibido, a apuração dos votos ainda estava sendo contabilizada no Brasil, mas o apresentador não poupou críticas ao candidato do PSL a quem classificou como o "Trump Brasileiro". "A coisa mais legal que posso falar dele é que ele não foi implicado em um caso de corrupção. Ainda. Infelizmente, isso é a única coisa legal que posso falar dele, porque ele é um ser humano terrível", disse Oliver. 

O apresentador contextualizou a ascensão do candidato com o grave momento político que o país atravessa, marcado por uma grande onda de insatisfação principalmente devido aos inúmeros escândalos de corrupção, aumento significativo da violência e a recente recessão econômica que vem gerando milhões de desempregados em todo país, fatores que segundo ele podem levar Bolsonaro à Presidência. "Existem chances reais de elegerem um ideólogo perigoso com consequências potencialmente desastrosas", disse.

"Ele é favorável a uma lei psicoticamente forte dizendo que um 'policial que não mata não é um policial' e isso não está nem no topo das 10 declarações mais alarmantes ditas pelo candidato", observou o apresentador, que citou casos como o de Maria do Rosário, em que Bolsonaro disse que não a estupraria porque ela não merecia e a entrevista com Ellen Page onde é questionado sobre a homofobia e responde que paqueraria a atriz na rua. 

Em sua crítica mais dura, John Oliver fala sobre as frases de apoio à tortura e à ditadura. "Isso é particularmente preocupante, em um país que, até 1985, foi governado por uma ditadura brutal. Apesar daquele regime se basear em  tortura e assassinatos extrajudiciais, Bolsonaro disse que o erro foi que eles não foram longe o bastante", opinou Oliver.
 
Oposição em declínio 

A grave crise ética que atravessa o PT também foi citada pelo apresentador que explicou o declínio do principal partido de oposição ao candidato devido à Operação Lava-Jato, que prendeu um dos principais nomes da legenda, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "Sim, Lula foi preso na Lava-Jato. Ele se diz vítima de uma prisão política e muitos apoiadores acreditam. Ele é tão popular, que teria vencido a eleição se pudesse concorrer da prisão. O que faz sentido. Já que eleger um presidente que está na prisão economiza tempo em ter que colocar seu presidente na cadeia por corrupção."

O ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad, classificado pelo apresentador como o "Lula Light", foi criticado por se apegar à imagem do ex-presidente para emplacar votos. "Isso é um insulto à inteligência das pessoas", diz ele, sobre uma propaganda do PT com um placa que mostra o nome dos dois como um só.

O apresentador concluiu parabenizando o movimento #EleNão que provocou diversas manifestações por todo país e fazendo um apelo ao eleitorado brasileiro. "Brasil, sei que estão enojados com sua política agora e não estão inspirados pelas opções que têm, mas qualquer coisa é melhor que Bolsonaro. O Lula diet é melhor, Homem Aranha é melhor. Com alguma sorte, vocês ainda têm a chance de votar #EleNão e não deixar esse cara 'atirar com os dedos' em sua democracia", concluiu
 
O apresentador já havia comentando as eleições brasileiras de 2014 em seu porgrama.

* Estagiária sob a supervisão de Roberto Fonseca

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade