Publicidade

Correio Braziliense

Bolsonaro tem plano econômico que Brasil precisa, diz presidente do Chile

Piñera admitiu, contudo, que Bolsonaro, que obteve no primeiro turno 46,03% dos votos contra os 29,28% de Fernando Haddad, gera incerteza porque 'ninguém conhece muito bem a sua trajetória'


postado em 09/10/2018 07:31

Piñera se referiu a Bolsonaro ao falar sobre uma América Latina muito convulsionada, com muitas tensões(foto: Claudio Reyes/AFP)
Piñera se referiu a Bolsonaro ao falar sobre uma América Latina muito convulsionada, com muitas tensões (foto: Claudio Reyes/AFP)

 
Madri, Espanha - O candidato Jair Bolsonaro tem o plano de abertura econômica que o Brasil "precisa", apesar de ele ser uma pessoa que gera incerteza, afirmou nesta terça-feira (9/10), em Madri, o presidente chileno, Sebastián Piñera.

"Os sinais que ele está dando sobre abrir a economia brasileira, reduzir o déficit fiscal, reformar as aposentadorias e reduzir o tamanho do setor público com privatizações é o que um país como Brasil, o que um gigante, precisa", disse Piñera durante um encontro econômico do jornal espanhol El País.

Piñera admitiu, contudo, que Bolsonaro, que obteve no primeiro turno 46,03% dos votos contra os 29,28% de Fernando Haddad, gera incerteza porque "ninguém conhece muito bem a sua trajetória".

"O povo votou mais contra os demais políticos do que a favor de Bolsonaro, e por isso há uma grande incerteza", ressalvou o presidente conservador chileno, que disse ter ouvido suas declarações "homofóbicas" e "sua linguagem muito agressiva com as mulheres".

No entanto, plano econômico, Piñera acredita que Bolsonaro "aponta para a direção correta" e que "ele tem falado muito fortemente de uma luta frontal contra a corrupção e o populismo, que foram dois grandes inimigos no Brasil".

Piñera se referiu a Bolsonaro ao falar sobre uma América Latina "muito convulsionada, com muitas tensões", destacando a "situação (econômica) muito complexa" na Argentina e o "drama" da crise econômica e "humanitária" na Venezuela.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade