Publicidade

Correio Braziliense

CNJ analisa conduta de juiz de Formosa que pretendia recolher urnas

Conselho também analisará a desembargadora que buscou o filho com preso usando carro oficial


postado em 09/10/2018 08:44 / atualizado em 09/10/2018 09:26

O juiz, Eduardo Luiz Rocha Cubas, durante entrevista para o Correio Braziliense, em frente ao Supremo Tribunal Federal (STF)(foto: Wallace Martins/Esp. CB/D.A Press)
O juiz, Eduardo Luiz Rocha Cubas, durante entrevista para o Correio Braziliense, em frente ao Supremo Tribunal Federal (STF) (foto: Wallace Martins/Esp. CB/D.A Press)

 
O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) colocou na pauta, desta terça-feira (9/10) à tarde, dois casos polêmicos que geraram reações no país nos últimos meses. Ambos se referem a condutas questionáveis de magistrados: uma desembargadora que buscou o filho com preso usando carro oficial e um juiz de Goiás que queria que as urnas eleitorais fossem periciadas por militares.

Os dois processos estão sob relatoria do corregedor nacional de Justiça, ministro Humberto Martins. O juiz de Formosa, em Goiás, Eduardo Luiz Rocha Cubas foi denunciado ao CNJ pela Advocacia-Geral da União (AGU). Na reclamação, a AGU pedia providências cautelares contra o juiz do Juizado Especial Federal Cível de Formosa. O magistrado foi afastado das funções por três dias.

O processo da desembargadora Tânia Garcia de Freitas Borges, presidente do Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul (TRE-MS), é anterior ao do juiz de Formosa.

Ela foi denunciada por usar carro oficial e escolta para buscar o filho Breno Fernando Solon Borges, no presídio de Três Lagoas, e interná-lo em clínica psiquiátrica.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade