Publicidade

Correio Braziliense

Haddad diz que programas do PT e de Ciro estão muito afinados

Petista afirmou também que ontem recebeu o ex-ministro Roberto Mangabeira Unger, conselheiro de Ciro, e afirmou a ele que estaria aberto a receber propostas


postado em 09/10/2018 17:57 / atualizado em 09/10/2018 18:11

(foto: Mauro Pimentel/AFP)
(foto: Mauro Pimentel/AFP)
 

O candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, fez um aceno nesta terça-feira, 9, a Ciro Gomes (PDT), que teve 13,3 milhões de votos no primeiro turno da eleição presidencial.


Para Haddad, os programas do PT e de Ciro estão muito afinados. "As diretrizes são as mesmas. Não há incompatibilidade entre nossos programas. Nós defendemos a soberania popular, nacional, e eles também. Não há muita dificuldade em dar um passo adiante", afirmou o petista, após reunião com governadores do Nordeste.

Haddad afirmou também que ontem recebeu o ex-ministro Roberto Mangabeira Unger, conselheiro de Ciro, e afirmou a ele que estaria aberto a receber propostas.

"Aproveito aqui para mandar um abraço ao Ciro Gomes, um democrata que se comprometeu em lutar contra o fascismo. Ele tem uma longa trajetória de serviços prestados ao povo brasileiro", disse.

Mercado

Haddad afirmou ainda que, como professor, é "curioso para aprender e generoso para ensinar". "Esta característica me faz a todo tempo rever posições, como no caso da Constituinte", afirmou.

A fala foi feita em resposta pública de Haddad à proposta do governador do Ceará, Camilo Santana (PT), que cobrou dele um gesto ao mercado financeiro.

Na reunião com os governadores nordestinos, Haddad propôs ainda a atuação nacional da Polícia Federal contra o crime organizado, um problema amplamente relatado pelos políticos da região. O petista disse também que vai incluir no programa a proposta de ampliação de policlínicas.

Bolsonaro

O candidato do PT afirmou também que, diferente do concorrente Jair Bolsonaro (PSL), ele cultiva a "democracia, e não uma tradição autoritária".

Ontem, Haddad pediu o apoio de Bolsonaro para não disseminarem notícias falsas. Na sequência, via Twitter, o capitão da reserva chamou o petista de "canalha".

Haddad criticou ainda a demora da Justiça Eleitoral de exigir a retirada de "fake news" da internet. "Quando a justiça atrasa a providência, o mal está feito", disse.

Na coletiva, Haddad disse ainda que pretende expor a diferença com Bolsonaro. "Nós vamos manter a linha propositiva, mostrar a inconsistência e a incoerência das propostas dele. Nossa única arma vai ser o argumento", afirmou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade