Publicidade

Correio Braziliense

"Bolsonaro pode transformar o Brasil na Venezuela", diz professora dos EUA

O candidato à Presidência também recebeu críticas da líder da extrema direita da França Marine Le Pen


postado em 11/10/2018 11:40 / atualizado em 11/10/2018 12:07

(foto: Nelson Almeida/AFP)
(foto: Nelson Almeida/AFP)
O deputado Jair Bolsonaro, candidato do PSL à Presidência da República, foi alvo de comentários negativos na imprensa da França e dos Estados Unidos. A líder da extrema direita francesa, Marine Le Pen, que disputa uma vaga no parlamento do país, disse em uma entrevista que "Bolsonaro diz coisas desagradáveis".

Já na rede de tevê norte-americana Fox News, canal conservador que apoia Donald Trump, a diretora de Estudos Latino-Americanos da Universidade Johns Hopkins, Monica de Bolle, disse que o político brasileiro é conhecido por "seu fluxo constante de comentários depreciativos sobre mulheres, negros, povos indígenas e gays".

De acordo com a professora, o viés militar de um governo Bolsonaro poderia transformar o Brasil em uma Venezuela. Atualmente, o país governado por Nicolás Maduro tem uma forte presença de militares no Estado, e as Forças Armadas, que apoiam majoritariamente o governo, são usadas para manter o controle em meio a maior crise já enfrentada na região. "A pessoa que, mais provavelmente, transformará o Brasil na Venezuela é Bolsonaro", disse Monica.

A Fox lembrou que o mercado financeiro está aderindo a um eventual governo Bolsonaro, que é visto como "menos arriscado" do que uma possível gestão do petista Fernando Haddad. 

Extrema direita

Marine Le Pen concedeu entrevista ao programa "4 Verdades", do canal France 2.  Convidada a opinar sobre a candidatura de Jair Bolsonaro, ela disse que a decisão sobre elegê-lo ou não cabe aos brasileiros, mas ressaltou pontos de discordância. "Ele tem dito coisas que são extremamente desagradáveis, que não podem ser transferidas para nosso país, é uma cultura diferente", disse Le Pen, referindo-se a declarações polêmicas de Bolsonaro sobre homossexuais e mulheres.

Para Marine, a popularidade de Bolsonaro se deve a pautas voltadas para segurança, tendo em vista as mais de 60 mil mortes violentas por ano no Brasil, e o combate àcorrupção. Ela também criticou a gestão anterior, do PT, que não atuou sobre o problema.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade