Publicidade

Correio Braziliense

PT e PDT falam em recorrer à Justiça para tirar Bolsonaro das eleições

Os dois partidos avaliam que revelações de que empresários financiaram secretamente campanha de Bolsonaro na internet podem levar à impugnação da candidatura do capitão reformado


postado em 18/10/2018 15:11 / atualizado em 18/10/2018 15:19

Haddad disse também que pretende cobrar de Bolsonaro reparação por informações mentirosas(foto: AFP)
Haddad disse também que pretende cobrar de Bolsonaro reparação por informações mentirosas (foto: AFP)
 

As revelações de que empresas bancaram a disseminação de mensagens contra o PT nas redes sociais fazem com que PT e PDT cogitem tentar retirar Jair Bolsonaro (PSL) da corrida presidencial. Reportagem da Folha de S.Paulo publicada nesta quinta-feira (18/10) afirma que empresas bancaram, com contratos de R$ 12 milhões, serviços de disparos de mensagens no WhatsApp contra o PT e a favor de Bolsonaro, o que contraria a legislação eleitoral brasileira.

 

Em entrevista coletiva à imprensa, o candidato petista, Fernando Haddad, disse que vai acionar todos os mecanismos judiciais para que a campanha de Bolsonaro e os empresários supostamente envolvidos sejam punidos. O ex-prefeito de São Paulo citou ainda a possibilidade de que a candidatura do adversário seja impugnada, e o terceiro colocado no primeiro turno seja chamado para disputar a segunda etapa da disputa. 

 

"Em qualquer lugar do mundo isso seria um escândalo de proporções avassaladoras, poderia encerrar até com a impugnação da candidatura com o chamada do terceiro colocado para disputar o segundo turno", disse Haddad.

 

Partido de Ciro Gomes, que ficou em terceiro lugar no primeiro turno das eleições presidenciais, o PDT afirmou, por meio de seu residente, Carlos Lupi, que já prepara uma peça jurídica com a qual pedirá o cancelamento ou a nulidade das eleições presidenciais de 2018. Os argumentos do pedido ainda estão sendo preparados pelos advogados da legenda, que devem endereçar a solicitação ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

 

"Até as últimas consequências"

Na entrevista que concedeu, Haddad disse que há indícios de outros "milhões de reais" em contratos ainda não identificados e afirmou que a campanha do capitão reformado é suspeita dos crimes de organização criminosa, caixa 2, calúnia, difamação e lavagem de dinheiro.

 

Independentemente do resultado eleitoral, Haddad afirmou que sua campanha vai rastrear os responsáveis pela disseminação do conteúdo e pedir prisão em flagrante ou prisão preventiva dos responsáveis. O petista também pretende cobrar de Bolsonaro uma reparação por informações mentirosas feitas contra ele durante o processo eleitoral. "Isso não tem prazo para acabar, vamos até às últimas consequências."

 

Além disso, Haddad cobrou que o WhatsApp tome providências. "O Whatsapp pode ajudar se quiser, pode fingir que não é com ele, mas pode ajudar se quiser. Se essa empresa tiver algum compromisso com valores, vai tomar providências e procurar evitar o que aconteceu no final do primeiro turno", disse.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade