Publicidade

Correio Braziliense

Venda de camisetas de Bolsonaro provoca briga entre eleitores em Boa Vista

Um venezuelano estava vendendo camisetas quando eleitores do grupo de José de Anchieta começaram a filmar o crime eleitoral, o que teria provocado uma briga generalizada com os correligionários rivais


postado em 28/10/2018 17:05 / atualizado em 28/10/2018 17:07

Vários ambulantes pelo país venderam camisetas relacionadas a Jair Bolsonaro (PSL)(foto: Tomaz Silva/Agência Brasil)
Vários ambulantes pelo país venderam camisetas relacionadas a Jair Bolsonaro (PSL) (foto: Tomaz Silva/Agência Brasil)
 

A venda de camisetas do candidato a presidente Jair Bolsonaro (PSL) e do candidato ao governo de Roraima Antônio Denarium (PSL) ao lado de um posto de combustível pertencente ao candidato a vice-governador Abel Mesquita (DEM), da coligação rival, terminou em confusão com direito a tiros na manhã deste domingo, 28, em Boa Vista, capital de Roraima.

Segundo informações de testemunhas, um venezuelano estava vendendo camisetas na esquina do posto, quando eleitores do grupo de José de Anchieta começaram a filmar o crime eleitoral, o que teria provocado uma briga generalizada com os correligionários rivais. Um militar da reserva de 78 anos foi agredido no rosto com um pedaço de madeira e um policial civil que passava na hora pelo local disparou um tiro para cima para conter os exaltados.

Após vários vídeos terem sido divulgados em rede social que acusavam o candidato a vice-governador Abel Mesquita (DEM) da agressão, o filho da vítima e o próprio candidato negaram a suspeita. Mesquita contou que foi informado por funcionários da confusão e que foi contornar.

"Jamais permitiria que ninguém fosse agredido dentro do meu estabelecimento. Estava apartando a briga e me colocaram como agressor com o único objetivo de denegrir minha imagem", explicou o candidato que é deputado federal pelo DEM. O militar ferido foi levado para a Polícia Federal para registrar boletim de ocorrência. A venda de camisetas em mastro é proibida pela lei eleitoral.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade