Publicidade

Correio Braziliense

Cientistas políticos esperam aumento de abstenções no segundo turno

No primeiro turno, 20,33% dos eleitores não compareceram às seções eleitorais; 6,14% preferiu anular o voto e 2,65% votaram em branco


postado em 28/10/2018 17:41 / atualizado em 28/10/2018 17:57

(foto: Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press)
(foto: Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press)
O alto grau de polarização da eleição para presidente da República pode aumentar o número de abstenções, votos nulos e brancos. O contingente deve subir com a falta de engajamento dos eleitores que preferiram não escolher entre Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT).

No primeiro turno, 20,33% dos eleitores não compareceram às seções eleitorais; 6,14% preferiu anular o voto e 2,65% votaram em branco.

“Nessa eleição muito polarizada, há duas vítimas: a verdade e o eleitor moderado”, comenta o cientista político Creomar de Souza, professor da Universidade Católica de Brasília. Para ele, “posições extremadas desagradam muitos eleitores”.

“Essa parcela expressiva do eleitorado ficará insatisfeita com qualquer um dos eleitos”, complementa Thiago Vidal, gerente do Núcleo de Análise Política da Prospectiva Macropolitica, de Brasília. Vidal e Souza participam neste momento de programa especial da TV Brasil que acompanha a apuração de votos em todo o Brasil.

Além do segundo turno presidencial, 13 estados e o Distrito Federal escolhem seus novos governadores.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade