Publicidade

Correio Braziliense

Imprensa americana destaca vitória da 'extrema-direita' com Bolsonaro


postado em 28/10/2018 20:47 / atualizado em 28/10/2018 21:54

Utilizando a classificação "extrema-direita" para se referir ao agora presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), a imprensa americana deu destaque à vitória do capitão reformado sobre o petista Fernando Haddad no pleito deste domingo, 28. Até as 20h20, com 99,21% das urnas apuradas, Bolsonaro tinha 55,24% dos votos, enquanto Haddad anotava 44,76%.

No Washington Post, a reportagem cita que Bolsonaro "surfou uma onda de ódio eleitoral" para chegar à Presidência, o que marcou a "virada mais dramática" à direita na América do Sul desde o final da época das ditaduras militares no final da Guerra Fria. O jornal também disse que as soluções simples e duronas do candidato o ajudaram a se eleger em uma nação onde o povo deseja mudança. 


"Sua vitória acrescenta a maior nação da América Latina à lista crescente de países - dos EUA, à Hungria e até as Filipinas - onde nacionalistas de direita obtiveram vitórias nas urnas", diz a matéria publicada na página do periódico americano.

O texto destaca, ainda, que a corrupção manchou a classe política e afetou a confiança dos eleitores. Segundo o jornal, Haddad teve dificuldades para se conectar ao eleitorado. "Ele concorreu como um substituto de Luiz Inácio Lula da Silva, o popular ex-presidente, cuja tentativa de reeleição foi derrubada após ele ser preso por acusações de corrupção", ressalta o Post.

(foto: Washington Post)
(foto: Washington Post)


O The New York Times também sublinha a guinada à direita no Brasil e relembra, ainda, os posicionamentos ideológicos atrelados ao presidente eleito. "O novo presidente, Jair Bolsonaro, exaltou a ditadura militar do país, defendeu tortura e ameaçou destruir, prender ou exilar seus opositores políticos", diz o jornal.

Para o Times, Bolsonaro fica "muito mais à direita do que qualquer presidente na região, onde os eleitores recentemente abraçaram líderes mais conservadores na Argentina, Chile, Peru, Paraguai e Colômbia".

 

 

Primeira página do site do New York Times(foto: New York Times)
Primeira página do site do New York Times (foto: New York Times)

América do Sul


Na Argentina, o Clarín publicou reportagem que mostra a incerteza de empresários locais com o futuro do Mercosul. No começo de outubro, Bolsonaro declarou que o acordo supranacional foi "deturpado pelo PT", mas garantiu que o Brasil permanecerá no bloco.

O El País do Uruguai destacou o clima de festa nos arredores da casa de Bolsonaro, onde eleitores soltaram fogos de artifício em comemoração. "Muito diferente do ambiente do hotel em São Paulo onde Haddad e o comando do PT acompanhavam os resultados."

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade