Publicidade

Correio Braziliense

Temer sugere diálogo com Bolsonaro para pautar reforma da Previdência

O diálogo entre os dois ocorreu após a confirmação da vitória de Bolsonaro nas urnas


postado em 28/10/2018 22:19 / atualizado em 28/10/2018 22:50

(foto: Evaristo Sa/AFP)
(foto: Evaristo Sa/AFP)
A reforma da Previdência pode voltar à pauta legislativa. O presidente Michel Temer (MDB) declarou que oferecerá ao presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), a ideia de articular a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) e colocá-la em votação na Câmara dos Deputados se for do agrado do futuro chefe do Executivo federal. Após conversarem por telefone na noite deste domingo (28/10), o emedebista disse que percebeu do capitão reformado do Exército a vontade de pacificar, e buscar a harmonia e unidade do país.

O diálogo entre ambos ocorreu após a confirmação da vitória de Bolsonaro nas urnas. Temer garante que não tratou de nenhum assunto político com o presidente eleito, mas sugeriu a possibilidade de negociar a reforma da Previdência. “Evidentemente, no instante que pudermos conversar, oferecerei a ideia de, eventualmente, podermos ainda fazer tramitar a reforma já que ela está formatada e pronta para ser votada nos dois turnos da Câmara e nos dois turnos do Senado. Mas, também, devo esclarecer que só irá adiante se, evidentemente, tiver o apoio do presidente eleito e da sua equipe”, declarou. 

Caso haja o interesse por parte de Bolsonaro, Temer insinuou que vai articular com o atual Congresso a aprovação da medida. Para ele, é possível aprová-la ainda neste ano. “Ou seja, a estrada estará inteiramente asfaltada para o próximo governo”, disse. Será preciso, no entanto, que o texto atual não seja modificado, defende o emedebista. “Acho que, se for modificar demais aquilo que já está pronto para ser votado, evidentemente não dá tempo. Mas se o presidente eleito quiser avançar na proposta que já está pronta, dará tempo. Teremos praticamente quase dois meses pela frente”, ponderou. 

O presidente declarou que os serviços do governo estarão inteiramente à disposição de Bolsonaro enquanto Temer ainda for presidente. Incluindo para garantir a segurança pessoal. “Isso nós fazemos, como já temos feito por meio da Polícia Federal, que tem dado amplo apoio e plena segurança ao candidato, hoje, presidente eleito”, destacou. 

A partir desta segunda-feira (29/10, Temer inicia o processo de transição. No que se refere à parte física e estrutural, destinará o Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), em Brasília, para a instalação do gabinete de passagem para o próximo governo. O ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência, Ronaldo Fonseca, é o encarregado de tocar as obras. 

O gabinete de transição terá um total de 2,5 mil m². Cerca de 60 pessoas estão mobilizadas nas obras de adaptação e ambientação. Além disso, a Granja do Torto estará apta para ser ocupada pela equipe de Bolsonaro. “A transição está praticamente formatada, organizada, e isto resultará em um livro para revelar o que foi feito, o que ainda deve ser feito e continuar a ser feito”, disse Temer.

A documentação que está sendo preparada para a equipe de Bolsonaro vai expressar todos os feitos do governo Temer, especialmente no plano econômico. “É preciso que trabalhemos todos juntos para dar continuidade ao que já fizemos, o que todos fizeram, a política econômica que prevaleceu no país, além de outras políticas de natureza ambiental e educacional”, explicou o emedebista.


Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade