Publicidade

Correio Braziliense

Ministério das Cidades vai acabar, diz presidente do PSL

Em entrevista, Luciano Bivar afirmou que o novo governo vai mudar a forma de interlocução com os prefeitos e governadores e, por isso, a pasta não terá mais serventia


postado em 30/10/2018 17:35 / atualizado em 30/10/2018 17:46

(foto: Divulgação/Twitter)
(foto: Divulgação/Twitter)
 

Reconduzido à presidência do PSL, o deputado federal eleito por Pernambuco e fundador da sigla, Luciano Bivar, disse nesta terça-feira, 30, que o presidente eleito, Jair Bolsonaro, vai extinguir o Ministério das Cidades.

Em entrevista à Rádio Jornal, no Recife, Bivar afirmou que o novo governo vai mudar a forma de interlocução com os prefeitos e governadores e, por isso, a pasta não terá mais serventia. O Ministério das Cidades foi criado em 2003, no primeiro ano do governo Lula (PT).

"O Ministério das Cidades vai acabar. Vamos fazer uma linha direta com as cidades e os Estados", declarou.

Presidência da Câmara


Bivar defendeu a possibilidade de a presidência da Câmara ser disputada pela sigla, ao contrário do que recomendou Bolsonaro. Na entrevista à Rádio Jornal, o futuro parlamentar, que voltou ao comando do PSL, não descartou ser o nome da legenda para a eleição do comando da casa.

"Acho que esse é um assunto que devemos colocar em pauta. É claro que a opinião do Bolsonaro é uma diretriz, mas é um assunto que a gente ainda não discutiu na bancada", afirmou.

O PSL tem, por enquanto, a segunda maior bancada federal com 52 parlamentares, mas com expectativa de crescimento, absorvendo membros de partidos que não cumpriram a cláusula de barreira. O PT é o que mais tem número de assentos, com 57 deputados.

Bivar também discordou da ideia defendida na campanha por Bolsonaro em relação ao fim da reeleição. Ele disse que se for "uma renúncia pessoal do Bolsonaro" será uma "atitude louvável", mas alterar a Constituição Federal ele tem "restrições".

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade