Publicidade

Correio Braziliense

Correio é finalista de prêmio de jornalismo da PF

Trabalho revela de maneira inédita como uma fake news é montada


postado em 31/10/2018 13:55

(foto: CB/DA Press)
(foto: CB/DA Press)
 
A série de reportagens “Memórias de mercenários, a verdade sob ataque”, publicada pelo Correio Braziliense ao longo dos últimos 10 meses, é finalista do 2º Prêmio Policiais Federais de Jornalismo. O trabalho revela de maneira inédita como as fake news são montadas. A partir do relato de produtores de notícias falsas, investigadores, políticos, marqueteiros e acadêmicos, o jornal apresenta os avanços de criminosos contra a democracia e os esforços de autoridades — nem sempre com resultados mais efetivos — para barrar os ataques.

Escrita por Leonardo Cavalcanti, editor do Correio, a série montou um quebra-cabeças com as informações de mercenários — como são conhecidos os produtores de fake news, revelando detalhes da contratação de disparadores de informações falsas, que acabaram em destaque durante a última campanha eleitoral no país. As reportagens anteciparam o labirinto da Justiça Eleitoral, que se mostra lenta na reação ao crime. Entre as fontes, algumas mantidas em sigilo, o jornal buscou especialistas estrangeiros e relatórios exclusivos.

O Correio concorre na categoria impresso com os jornais O Povo e A Tribuna, com as reportagens “Território à espera de paz” e “Ciclo de destruição, o vício que financia o crime”. Na primeira etapa de seleção do 2º Prêmio Policiais Federais de Jornalismo, as reportagens inscritas foram avaliadas por jornalistas e acadêmicos. Na segunda etapa, os próprios policiais deverão escolher os vencedores das categorias impresso, rádio, fotografia, televisão e webjornalismo, que serão anunciados no próximo dia 22, durante uma cerimônia. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade