Publicidade

Correio Braziliense

FHC defende crítica construtiva e 'sem adesão oportunística' ao governo Bolsonaro

O ex-presidente se manifestou pelo Twitter e seu posicionamento é oposto ao defendido pelo governador eleito de São Paulo, João Doria, que defende uma aliança com o capitão da reserva


postado em 31/10/2018 18:38 / atualizado em 31/10/2018 18:38

(foto: Leonardo Cavalcanti/CB/D.A Press)
(foto: Leonardo Cavalcanti/CB/D.A Press)
 

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) defendeu nesta quarta-feira, 31, em seu perfil no Twitter, um posicionamento de crítica construtiva e "sem adesão oportunística" em relação ao governo do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL).

"Amanhã vou a Lisboa. Reunião do board da Fundação Champalimaud. Na próxima semana, Madri: Foro Ibero-americano. Por aqui só especulações sobre o novo governo. Melhor esperar e torcer para o Brasil dar certo. Com crítica construtiva, sem adesão oportunística", escreveu o tucano na rede social.

Como mostrou o jornal O Estado de S. Paulo, as declarações do governador eleito de São Paulo, João Doria, defendendo mudanças na executiva do PSDB e que o partido esteja na base do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), provocaram uma nova divisão no tucanato.

Liderança com o cargo eletivo mais expressivo dentro da sigla, o ex-prefeito prega uma nova "correlação de forças" interna e já conta com um time de aliados na Executiva Nacional da legenda, como o senador Cássio Cunha Lima (PB) e os deputados Antonio Imbassahy (BA) e Bruno Araújo (PE), este último cotado para substituir Alckmin no comando da legenda.

Enquanto Doria prega adesão ao próximo governo, Alckmin, cujo mandato como presidente do partido vai até dezembro de 2019, criticou Bolsonaro em seu perfil no Twitter por suas declarações contra o jornal Folha de S.Paulo. "Os ataques feitos hoje pelo futuro presidente à Folha de São Paulo representam um acinte à toda a Imprensa e a ameaça de cooptar veículos de comunicação pela oferta de dinheiro público é uma ofensa à moralidade e ao jornalismo", escreveu.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade