Publicidade

Correio Braziliense

Líderes de PDT, PCdoB e PSB se reúnem para articular oposição a Bolsonaro

Os comandantes partidários buscam também definir diretrizes para fugir do 'hegemonismo' do PT


postado em 31/10/2018 19:29

(foto: Carl de Souza/AFP)
(foto: Carl de Souza/AFP)

Líderes do PDT, de Ciro Gomes; do PCdoB, de Manuela D'Ávila; e do PSB, que tentou lançar o ministro aposentado Joaquim Barbosa à Presidência da República; se reuniram durante a semana para discutir maneiras de se opor ao governo de Jair Bolsonaro (PSL) na Câmara. Juntas, as legendas elegeram 69 deputados para o próximo mandato, que começa ano que vem. Sozinho, o PSL terá 52 deputados em 2019. O acordo de atuação conjunta seria uma resposta ao "hegemonismo" que o PT pretende impor durante a legislatura dos próximos quatro anos.

Desde terça-feira (30/10) os caciques se reúnem na Câmara e nos diretórios regionais dos partidos. Ontem, houve novo encontro para definir que diretrizes serão tomadas para fugir do PT, que, com 56 deputados, "quer impor" o modus operandi da casa legislativa aos demais partidos que farão oposição a Bolsonaro. O líder do PDT, André Figueiredo (CE), afirmou que a ideia é trabalhar um modelo de oposição construtivo para o país. "O que não podemos aceitar, de forma alguma, é o hegemonismo que infelizmente o PT quer impor aos demais partidos do campo dele."

Nos encontros entre líderes partidários, que também contou com a presença de Orlando Silva (PCdoB-SP) e Tadeu Alencar (PSB-CE), o comentário é que "fazer uma oposição propositiva" a Jair Bolsonaro significa colocar em discussão alternativas a propostas apresentadas pelo presidente eleito. "Passadas as eleições e fechada a composição das casas legislativas e do Executivo, a maior preocupação dos partidos é como definir o apoio no Congresso. Quais deputados serão, ou não, oposição. Tem gente pensando na janela partidária, inclusive", explicou um assessor que esteve em uma das reuniões.

Ao Correio, o deputado Julio Delgado (PSB-MG) detalhou que as conversas são apenas para "convergir as ações dos partidos em trabalho que possa resultar em ação efetiva de quem não quer fazer terceiro turno das eleições" na Câmara. O parlamentar explicou que há uma sintonia entre as legendas que buscam um caminho alternativo para conduzir a oposição a Bolsonaro. Sobre o possível isolamento do PT na Casa, o deputado afirmou que "ninguém está discutido o PT". O tema, no entanto, teria sido discutido em visita do ex-governador do Ceará, Cid Gomes (PDT) ao gabinete do Delegado Francischini (PSL-PR). 

Para o cientista político Breno Milhomen, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRS), a posição é natural e ocorre no momento propício. "Definido o segundo turno, está na hora de alinhar as ideias com os partidos. Não necessariamente haverá conflito de ideias, mas, alguns desencontros podem ocorrer. Os integrantes da esquerda querem reagir à bancada extensa de Bolsonaro -- que pode crescer ainda mais na janela partidária -- e ao Centrão rumando ao governo em supostas conversas com o PSL", analisou.

No primeiro turno da eleição presidencial, o PDT recebeu 13,3 milhões de votos (12,4%) e ficou em terceiro lugar. O PSB não apoiou nenhum candidato após a saída de Barbosa e, o PCdoB, que havia acordado a vice-Presidência de Fernando Haddad (PT) foi para o segundo turno. No último domingo, a chapa esquerdista perdeu para Bolsonaro. O PDT manifestou "apoio crítico" a Haddad e Manuela e o PSB deixou a neutralidade de lado para apoiar o petista e a socialista. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade