Publicidade

Correio Braziliense

Governo de transição terá quatro mulheres na equipe; uma é brasiliense

Ela é a especialista em segurança pública Márcia Amarílio da Cunha Silva, tenente-coronel do Corpo de Bombeiros do Distrito Federal. A doutora em economia Clarissa CostaLonga e Gandour e as tenentes Sílvia Nobre Waiâpi e Liane de Moura também devem ser nomeadas em breve


postado em 07/11/2018 06:00

Márcia da Cunha Silva, do Corpo de Bombeiros do DF(foto: Facebook/Reprodução)
Márcia da Cunha Silva, do Corpo de Bombeiros do DF (foto: Facebook/Reprodução)

Depois da repercussão negativa de que a equipe de transição não tinha mulheres, o presidente eleito, Jair Bolsonaro, afirmou que seu ministério “com certeza” terá a participação feminina. O time encarregado de fazer a passagem do bastão deve ter quatro mulheres nomeadas nos próximos dias.

Uma delas é a especialista em segurança pública Márcia Amarílio da Cunha Silva, tenente-coronel do Corpo de Bombeiros do Distrito Federal. A doutora em economia Clarissa CostaLonga e Gandour e as tenentes Sílvia Nobre Waiâpi e Liane de Moura também devem ser nomeadas em breve. O juiz federal Sérgio Moro, que será o ministro da Justiça, também deve integrar a equipe nos próximos dias. Ele virá hoje a Brasília.

Sobre as mulheres que podem ocupar ministérios, Bolsonaro disse estudar nomes. “Temos cinco definidos. É o caso de tirar um desses e colocar uma mulher no lugar só por que é mulher? Não sei. Há 10 ou 12 vagas em aberto, com toda certeza, vai ter (mulher)”, afirmou o presidente eleito.

O Ministério da Família, que era proposto, não deve ser criado. A pasta englobava Desenvolvimento Social e Direitos Humanos. Sem citá-los, Bolsonaro disse que algumas áreas devem manter o status de ministério. 

Bolsonaro disse que o general Augusto Heleno pode assumir a Defesa ou o Gabinete de Segurança Institucional (GSI). “Quem é que pode se dar o luxo de se privar da companhia de uma pessoa como o general Heleno? No que depender de mim, ele irá para o GSI, mas a Defesa está aberta. Se ele achar que é melhor a Defesa, tudo bem”, comentou.

O presidente eleito também ressaltou que os nomes para as pastas de Agricultura, Meio Ambiente, Relações Exteriores e Infraestrutura já estão “avançados”. O general Oswaldo Ferreira é um dos cotados para a Infraestrutura. Perguntado, Bolsonaro não negou. O governo do PSL deve ter entre 15 e 17 ministérios. A intenção é de que todas as pastas sejam definidas até o fim deste mês.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade