Publicidade

Correio Braziliense

Com Heleno no Planalto, Bolsonaro considera nome da Marinha para a Defesa

Informação foi dada pelo vice-presidente eleito, Hamilton Mourão, que confirmou a ida do general Augusto Heleno para o Gabinete de Segurança Institucional


postado em 07/11/2018 11:24 / atualizado em 07/11/2018 11:44

Perguntado sobre nomes para outras pastas, Mourão disse que Bolsonaro está conversando com muitas pessoas(foto: Mauro Pimentel/AFP)
Perguntado sobre nomes para outras pastas, Mourão disse que Bolsonaro está conversando com muitas pessoas (foto: Mauro Pimentel/AFP)
 

O vice-presidente eleito, general Hamilton Mourão, disse, na manhã desta quarta-feira (7/11), que o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) ainda está escolhendo o nome para comandar o Ministério da Defesa e revelou que provavelmente será escolhido alguém da Marinha, já que militares do Exército e da Aeronáutica ocuparão outros ministérios chaves no novo governo.

Mourão confirmou que o general Augusto Heleno, antes cotado para a Defesa, deve ocupar mesmo o Gabinete de Segurança Institucional (GSI).

"O general Heleno é uma cabeça brilhante que não pode ser desperdiçada. O presidente Bolsonaro está escolhendo outro general para a Defesa, pensando em algum nome da Marinha para ter equilíbrio", disse Mourão ao chegar ao Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), local destinado para a equipe de transição do governo.

Perguntado sobre nomes para outras pastas, Mourão disse que Bolsonaro está conversando com muitas pessoas, que pode anunciar nomes ainda nesta semana, mas que só irá confirmar esses postos após decisões concretas.

Questionado ainda sobre a possível continuidade do atual presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, Mourão afirmou que a escolha para a chefia da autoridade monetária está a cargo do futuro ministro da Economia, Paulo Guedes. "Já a escolha dos comandantes das Forças Armadas deve obedecer critérios de antiguidade", acrescentou o militar.

Mourão disse ainda que o encontro do governador eleito de São Paulo, João Dória (PSDB), com Bolsonaro, marcado para as 16h30, será uma visita de cortesia, sem pautas a serem discutidas.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade