Publicidade

Correio Braziliense

Doria diz que defenderá apoio do PSDB às 'boas propostas' do governo Bolsonaro

O governador eleito de São Paulo relatou que se encontrou hoje com 58 parlamentares do PSDB, entre eleitos e não eleitos, que manifestaram, segundo ele, o desejo de apoio do partido ao novo governo


postado em 07/11/2018 19:00 / atualizado em 07/11/2018 19:28

(foto: Barbara Cabral/Esp. CB/D.A Press)
(foto: Barbara Cabral/Esp. CB/D.A Press)

O governador eleito de São Paulo, João Doria (PSDB) afirmou que, se depender do PSDB de São Paulo, o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) terá governabilidade. Ele se reuniu na tarde desta quarta-feira (7/11) com o militar reformado que ocupará a chefia do Palácio do Planalto. 

A reunião foi no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), onde ocorrem as reuniões do governo de transição. Segundo Doria, se depender do PSDB de São Paulo, o governo do PSL terá apoio das “boas causas, propostas e iniciativas”. “O que for bom para o Brasil, o presidente terá nosso apoio”, destacou. “Disse ao presidente que o PSDB de São Paulo não fica em cima do muro. Tem lado. E o lado do PSDB de São Paulo é o lado do Brasil”, enfatizou. 

O partido ainda anunciou uma posição oficial sobre o futuro governo Bolsonaro. O atual presidente do partido, Geraldo Alckmin (PSDB), foi derrotado pelo candidato do PSL na corrida presidencial. O tucano ajudou a eleger Doria à prefeitura de São Paulo em 2016, mas, após desavenças, os dois são considerados agora ‘polos opostos’ no partido. Alckmin chegou a chamar Doria de traidor em gravação.

O futuro governador de São Paulo ressaltou que o apoio a Jair Bolsonaro não exige “contrapartidas”. “Sem nada em troca, sem posição em governo, sem estatais. Não é preciso absolutamente nada e nem desejamos ou pleiteamos”, destacou Doria. “Não é neutralidade, muito menos oposição. Todas as boas propostas do governo bolsonaro na área econômica, na institucional e de governabilidade, terão, ao nosso ver, apoio do PSDB”, acrescentou.

Apoio Parlamentar

Doria também sinalizou que os parlamentares do PSDB estão alinhados com o discurso de apoio a Bolsonaro. Sobre reforma da Previdência, disse que o PSDB vai dar apoio de “imediato”. “Posso dizer a vocês que hoje eu reuni 58 parlamentares do PSDB aqui em brasília. Deputados que estão cumprindo o final de seus mandatos, deputados que se reelegeram, ou que se elegeram, e a nossa posição é de apoio à reforma da previdência, ainda que em etapas”, apontou o governador eleito. “E ainda que a primeira etapa seja a redução das idades, de 56 a 61 anos. Exatamente a proposta do Paulo Guedes (futuro ministro da Economia)”, completou.

Ele disse ainda que a reunião desta quarta-feira (7/11) com os parlamentares ficou “muito claro” o sentimento de apoio à proposta. “Nós não fizemos ali uma votação nominal, mas ficou muito claro que a maioria expressiva dos deputados que participaram desse encontro advogam da mesma tese”, disse Dória.

Presidência do PSDB

Perguntado se ele seria candidato à presidência do PSDB, entrando no lugar de Alckmin, Doria negou. “Não. Eu sou candidato ao que partido sintonize a sua realidade com o Brasil. Eu não me apresento como candidato, mas apresento, sim, uma proposta que o PSDB esteja sintonizado com o que eu chamo de chão de fábrica. O PSDB precisa sair do elevador, sair do 5º andar de um prédio e colocar os pés na fábrica e estar sintonizado com a população, sobretudo a população mais simples e sofrida do brasil, que foi a que elegeu jair bolsonaro presidente”, finalizou. 
 

Secretariado de SP

Com as críticas da falta de mulheres nas secretarias de SP, o futuro governador declarou que haverá nomes femininos nas pastas. “Nós teremos mulheres no nosso governo. Aos poucos nós estamos anunciando nossos secretários. Amanhã vamos anunciar mais dois secretários”, disse. Ele não citou quais áreas e os nomes, mas, a princípio, não será da Segurança Pública. Doria ressaltou que o convite para o Gilberto Kassab assumir a secretaria da Casa-Civil do estado não será desfeito, mesmo após as críticas. “Nenhuma possibilidade”, enfatizou. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade