Publicidade

Correio Braziliense

Brasília sediará reunião de governadores eleitos com Paulo Guedes

Encontro acontecerá na próxima quarta feira (14/11) das 9h às 14h no Centro Internacional de Convenções do Brasil


postado em 07/11/2018 19:40 / atualizado em 07/11/2018 20:55

Proposta foi definida em reunião com entre o governador eleito de São Paulo e Jair Bolsonaro(foto: Reprodução/Instagram)
Proposta foi definida em reunião com entre o governador eleito de São Paulo e Jair Bolsonaro (foto: Reprodução/Instagram)
Na próxima quarta-feira (14/11), Brasília sediará uma reunião entre os 27 governadores eleitos e o futuro ministro da Economia, Paulo Guedes. O encontro foi organizado por Ibaneis Rocha (MDB), João Doria (PSDB) e Wilson Witzel (PSC), eleitos gestores de Distrito Federal, São Paulo e Rio de Janeiro, respectivamente. 

O anúncio foi feito pelo futuro governador paulista, após reunião na tarde desta quarta-feira (7/11) no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB). Doria se reuniu com o presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL). 

"No dia 14 de novembro nós reuniremos aqui (Brasília) um bom número de governadores. O governador de Brasília (Ibaneis Rocha) será o anfitrião. “Todos os governadores foram convidados. Vários confirmaram presença. O futuro ministro da fazenda pode apresentar o projeto do pacto federativo e os governadores expressarem alguns de seus pontos de preocupação no plano econômico”, ressaltou Doria. 

O encontro será das 9h às 14h no Centro Internacional de Convenções do Brasil (CICB). “Bolsonaro provavelmente estará presente no encerramento desse encontro”, destacou Doria. O futuro ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, também deverá estar presente. 

O governador eleito de SP disse que manifesta apoio integral à proposta de Guedes para adotar o pacto federativo. “É muito importante para os 27 estados brasileiros, pois confere aos governadores a responsabilidade de distribuição de recursos para as áreas prioritárias de governo. Acaba com os ‘pires’ em Brasília: os governadores não terão mais que ficar andando aqui com pires na mão de ministérios em ministérios. Os recursos serão destinados aos governos e os governos, por sua vez, destinarão às áreas prioritárias e aos municípios também”, declarou. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade