Publicidade

Correio Braziliense

Em pesquisa, profissionais e pacientes aprovam a atuação do Mais Médicos

Ao todo, 14 mil pessoas foram entrevistadas e quase 700 municípios em 2014. Na época, 85% disseram que a qualidade do atendimento médico estava "melhor" ou "muito melhor"


postado em 14/11/2018 15:22 / atualizado em 14/11/2018 15:42

Cerimônia da prorrogação da contratação de profissionais estrangeiros para o Programa Mais Médicos, no Palácio do Planalto, em 2016(foto: Carlos Moura/CB/D.A Press)
Cerimônia da prorrogação da contratação de profissionais estrangeiros para o Programa Mais Médicos, no Palácio do Planalto, em 2016 (foto: Carlos Moura/CB/D.A Press)
 
Um ano após a criação do programa Mais Médicos, uma pesquisa da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), do Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas (Ipespe) e do  Ministério da Saúde mediu a aceitação da ação no país. Na época, 85% disseram que a qualidade do atendimento médico estava “melhor” ou “muito melhor”. Ao todo, 14 mil pessoas foram entrevistadas e quase 700 municípios. 

Os entrevistados destacaram o aumento no número de consultas, o acompanhamento e a resolução do problema de saúde após o atendimento do médico. As entrevistas para o estudo foram realizadas entre novembro e dezembro de 2014. 

Entre os resultados, Um índice alto de usuários (87%) apontou que a atenção do profissional durante a consulta melhorou e 82% dos entrevistados afirmaram que as consultas passaram a resolver melhor os seus problemas de saúde.

Na época, os profissionais brasileiros que atuam no Mais Médicos também estavam satisfeitos, segundo a pesquisa. O levantamento mostra que  90% dos médicos responderam que indicariam a participação para outros médicos. 

Entre os pontos negativos apontados pela população estão a falta de medicamentos e de condições de infraestrutura, embora eles tenham percebido uma melhora. Para 56% dos pacientes entrevistados, o acesso aos medicamentos melhorou e para 11% houve uma piora.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade