Publicidade

Correio Braziliense

Bolsonaro confirma que Mandetta será o ministro da Saúde em seu governo

Bolsonaro disse que Mandetta terá de 'tapar ralos', facilitando a vida das pessoas com pouco dinheiro em caixa


postado em 20/11/2018 15:27 / atualizado em 20/11/2018 16:41

Deputado Mandetta (DEM/MS) foi confirmado como futuro ministro da Saúde (foto: Arquivo/Agência Brasil )
Deputado Mandetta (DEM/MS) foi confirmado como futuro ministro da Saúde (foto: Arquivo/Agência Brasil )
 
O deputado federal Luiz Henrique Mandetta (DEM-MS) será o próximo ministro da Saúde. O nome dele foi uma indicação da Frente Parlamentar da Saúde do Congresso Nacional e foi confirmado nesta terça-feira (20/11) pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL). É parlamentar desde 2011 e médico ortopedista pediátrico. Foi tenente médico no Hospital Geral do Exército e trabalhou na Santa Casa de Campo Grande entre 1993 a 1995. 

A experiência de Mandetta como parlamentar e médico foi o suficiente para credenciá-lo a assumir o posto. O deputado Efraim Filho (DEM-PB) elogiou o correligionário. Disse que a definição saiu de um diálogo plural que uniu técnica e política após reunião com a equipe de transição, no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB). “A Frente Parlamentar da Saúde referenda o nome dele. A Associação dos Médicos Brasileiros (AMB) estava presente. O Conselho Federal de Medicina (CFM) falou. O Conselho Federal de Enfermagem (Cofen). Os agentes comunitários de saúde…”, enumerou. 

O nome de Mandetta foi cogitado por Bolsonaro e respaldado pelo Parlamento. A presidente da Frente Parlamentar da Saúde, deputada Carmen Zanotto (PPS-SC), corrobora que a indicação é suprapartidária, tendo aval dos representantes do setor no Congresso. “É alguém com vasta experiência na área da saúde. Já foi gestor, é parlamentar e médico. Conhece todas as dificuldades do setor da saúde”, ponderou. A expectativa é que Mandetta siga aprimorando o Sistema Único de Saúde (SUS) e supere as dificuldades. “Em especial as de rede hospitalar prestadora de serviço e de acesso a alguns procedimentos”, ponderou. 

A tarefa de Mandetta à frente da saúde é uma das prioridades para Bolsonaro. O presidente eleito classificou os anseios da população por serviços de qualidade no setor como um clamor que está “praticamente empatado” com a “questão do emprego e segurança. “Se Deus quiser, assumirá o ano que vem com essa enorme missão de dar satisfação a todos que a saúde tem jeito, com pessoas de bem e com apoio dos mais variados setores, das entidades e partidos políticos”, destacou.
 
 
 

Indicação não foi da bancada do DEM

De acordo com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), escolha do presidente eleito Jair Bolsonaro pelo deputado Luiz Henrique Mandetta (DEM-MS) para comandar o ministério da Saúde não teve indicação da bancada do partido. “De jeito nenhum”, foi a resposta de Maia ao ser questionado sobre o assunto, nesta terça-feira (20/11), enquanto caminhava no Salão Verde para o Plenário da Câmara.

“É uma indicação pessoal do presidente Bolsonaro. É um grande quadro, mas é uma indicação que foi exclusiva do presidente”, afirmou Maia. “É um quadro de qualidade. O presidente tem direito de escolher entre os brasileiros aqueles que vão participar da sua gestão no primeiro escalão”, completou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade