Publicidade

Correio Braziliense

Embaixador da Palestina deve se encontrar com Bolsonaro nesta semana

Essa será a primeira vez que o presidente eleito recebe o representante da Palestina no Brasil desde que venceu o pleito


postado em 21/11/2018 21:15 / atualizado em 22/11/2018 00:50

(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)

 

O embaixador da Palestina no Brasil, Ibrahim Alzeben, afirmou, na noite desta quarta-feira (21/11), que realizou um pedido de audiência com o presidente eleito, Jair Bolsonaro, e recebeu sinalização positiva para o encontro, que pode ocorrer ainda nesta semana. De acordo com Alzeben, ele vai felicitar Bolsonaro por ter vencido as eleições.

As declarações foram realizadas durante um jantar com jornalistas, em Brasília. Representantes de nações árabes conversaram com a imprensa sobre assuntos do Oriente Médio que dominam o noticiaram internacional.

Entre os temas abordados estavam declarações recentes do presidente eleito, entre elas a que indica a transferência da embaixada de Israel para Jerusalém. O embaixador da Jordânia, Malek Twal, disse que não quer que o Brasil se envolva no conflito que há décadas causa tensão no Oriente Médio. "Nós não queremos que o Brasil seja parte deste conflito. Não entendemos o motivo de o Brasil querer ser parte quando pode ser um agente mediador", disse.

Alaa Roushdy, embaixador do Egito, afirmou não ver motivos para que o país siga o mesmo caminho trilhado pelos Estados Unidos. "O Egito pede paz ampla e defende que as situações sejam baseadas nas resoluções da ONU e na instalação de um Estado palestino, cuja a capital é Jerusalém oriental", declarou.

Embaixador do Marrocos, Nabil Adghoghi, por sua vez, disse que a eventual mudança do local da embaixada poderá prejudicar a imagem do Brasil no exterior. "Nenhum país, exceto os Estados Unidos, mudou a embaixada. A curto prazo, isso pode agradar Israel, mas, a longo prazo, não terá nenhum efeito. A longo prazo, queremos a paz no Oriente Médio e a mudança de embaixada não vai trabalhar para isso. A imagem do Brasil será muito perturbada, além dos problemas comerciais", alertou.

O embaixador da Palestina afirmou ainda que espera que "sejam seguidas as resoluções da Organização das Nações Unidas (ONU) e as normas do direito internacional" sobre a região.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade