Publicidade

Correio Braziliense

'Já gastei o meu estoque de ministros, não tenho mais', diz Olavo de Carvalho

Ele afirmou ainda que há uma "dominação comunista" na educação brasileira e defendeu que seja feita uma "reunião de provas" sobre isso


postado em 25/11/2018 09:55 / atualizado em 25/11/2018 15:07

(foto: Reprodução/Facebook )
(foto: Reprodução/Facebook )

 

Responsável por indicar dois ministros do novo governo - Ernesto Araújo (Relações Exteriores) e Ricardo Vélez Rodrígues (Educação) - o filósofo Olavo de Carvalho rejeita o rótulo de ideólogo do presidente eleito, Jair Bolsonaro. "É lenda urbana", disse. Em entrevista ao jornal O Estado De São Paulo, ele afirmou que há uma "dominação comunista" na educação brasileira e defendeu que seja feita uma "reunião de provas" sobre isso.

Por isso, disse que é ingenuidade levar o projeto Escola Sem Partido para debate no Congresso. Para ele, "uma guerra cultural se vence no campo cultural". Olavo, que há 13 anos mora nos Estados Unidos, criticou ainda a imprensa brasileira e falou que a eleição de Bolsonaro "tem de ser respeitada". A seguir, os principais trechos:

Seu pensamento tem influenciado as decisões do novo governo, mas o sr. tem dito que teve pouco contato com o presidente eleito.

Conversei com ele exatamente três vezes, por telefone. O Eduardo (Bolsonaro) esteve aqui uma vez e o Flávio (Bolsonaro) esteve uma vez.

Tivemos dois ministros definidos a partir de indicação do sr. Há mais indicações suas?

Já gastei o meu estoque de ministros. Não tenho mais nenhum no bolso (risos). Infelizmente, não tenho mais ninguém.

Em uma entrevista em 2016 à BBC Brasil, o sr. fala que foi o "parteiro" de uma direita. O sr. coloca o governo Bolsonaro dentro dessa direita da qual se define o parteiro?

É um governo de direita, sem dúvida, mas a mídia inteira está escandalizada por haver um governo de direita. Isso quer dizer que não pode ter um governo de direita? Só pode ter de esquerda? E eles chamam isso de democracia? Há 20 anos disse: o PT não está disposto a suportar o rodízio de partidos no poder.

Quer ficar para sempre. E toda a mídia é cúmplice nisso, porque eles não aceitam que haja um governo de direta. Nos EUA, você tem um governo de direita e pode ter um governo de esquerda. Todos os países decentes do mundo são assim. No Brasil não pode?

Bolsonaro é a representação da vontade popular e tem de ser respeitada. O pessoal da mídia tem de calar a boca e aceitar a realidade das coisas, aceitar que o rodízio do poder é a essência da democracia.

O sr. critica que o Escola sem Partido seja proposto no Legislativo. O que defende?

O problema é a dominação que os comunistas exercem na educação brasileira, dominação tirânica, onipresente, que proíbe qualquer objeção e esconde as ideias do opositor.


Esconde mesmo. Qual o primeiro ponto? Reunir as provas e escrever um trabalho científico a respeito. Não começar propondo um projeto de lei absolutamente ridículo. Os fundadores do Escola Sem Partido são meus amigos, pessoas pelas quais tenho muito respeito e carinho, mas é preciso ser um amador para tentar vencer uma guerra cultural com um projeto de lei.

Uma guerra cultural se vence no campo cultural: chamando os caras para a briga, demonstrando que são uns bananas, uns coitados, calando a boca deles com argumento. Você conhece um tal de Dicionário Crítico do Pensamento de Direita? Quando você vai ler o dicionário, todos os pensadores importantes da direita estão ausentes e, no lugar deles, colocaram meia dúzia de nazistas absolutamente alucinados. Eles escondem as ideias do adversário e ainda colocam falsificação no lugar delas. É uma obra coletiva feita por 104 professores universitários subsidiados com dinheiro público. Mas isso foi em 2000. Imagina o quanto essa dominação comunista se ampliou nesses anos. E na mídia, inclusive, na mídia aumentou muito, muito, muito. A mídia se tornou absolutamente intolerante com qualquer coisa que não venha da esquerda.

A esquerda ataca a mídia.

Não, você está enganada. Foi criticada quando começou a noticiar os casos de corrupção. Objeção política e ideológica à esquerda, a mídia jamais teve. A esquerda tem o monopólio da mídia brasileira. Sempre tem um ou outro de direita moderada para tirar a má impressão. O que é isso? É manipulação. As organizações de mídia são todas organizações criminosas e sabem perfeitamente que o pessoal do PT está ligado às Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia), com contrabando, e estão apoiando.

Organizações de mídia são organizações criminosas?

O PT dirige, dirigiu, durante anos o Foro de São Paulo, em parceria com as Farc, que são organizações criminosas, que inoculam 200 toneladas de cocaína por ano no Brasil. E estavam os dois lá de mãozinhas dadas dirigindo o Foro de São Paulo, que é a coordenação estratégica da esquerda no continente, e a mídia apoiando e acobertando e escondendo a existência do Foro de São Paulo. Durante 16 anos todos - Estadão, Folha, Globo, Veja - esconderam a existência do Foro de São Paulo. Esconderam, quando não negaram. E me chamavam de louco. Só pararam com isso quando, no terceiro congresso do PT, o próprio PT reconheceu que o Foro de São Paulo era coordenação estratégica do comunismo na América Latina. São todos cúmplices e todos organização criminosa, sim. Estão acobertando a maior trama criminosa da história da América Latina, que é o PT e as Farc.

Queria voltar a falar da Escola sem Partido.

Avisa o Estadão: se quiser me processar, eu vou no tribunal e provo isso aí. E, se brigar comigo vai perder, porque eu tenho mais leitores do que o Estadão.

É viável tratar a educação como guerra?

Quem inventou a utilização da educação como guerra foram os comunistas, foi Antonio Gramsci, e estão aplicando isso há décadas. E aí, se você reage, é você que está fazendo a guerra? Não.

O sr. fala em guerra cultural. Quais as que o novo governo deverá encampar?

Guerra cultural se faz formando intelectuais capacitados, que é o que eu estou fazendo. É no campo da discussão que temos de desmoralizar essas pessoas. Trata-se de mostrar que certas pessoas não estão qualificadas para opinar, são analfabetos funcionais, diplomados indevidamente por professores interessados em promover o comunismo.

Como define seu pensamento e no que isso se alinha com o governo Bolsonaro?

Eu realmente não sei onde se alinha com o pensamento do governo. Eu sei o seguinte: parece que o Bolsonaro e os filhos dele leram algo do que eu escrevi e concordaram. Não sei até onde e o quanto eles leram, mas são pessoas de boa vontade para comigo e me tratam muito bem. São pessoas pelas quais tenho simpatia pessoal. Não há um acordo ideológico, não houve um diálogo ideológico nenhum. Aliás, se pensar qual é a minha ideologia? Eu não tenho nenhuma, tenho ciência política. Agora, o pessoal fala "ideólogo deles", isso é lenda urbana inventada por menino, coisa pueril, boboca.

Pretende se encontrar com Bolsonaro no Brasil ou gostaria de recebê-lo nos EUA?

Minha filha, não pretendo influenciar o curso das coisas de absolutamente nada, eu só respondo o que me perguntam. Eu não estou aqui para fazer política mesmo. Eu não tenho nenhuma ambição nem gosto por essa porcaria. Quando me ofereceram ministério, eu falei: "eles querem ferrar com a minha vida". Eu, como escritor, sou um homem muito feliz, sou o que eu queria ser quando era criança. Eu queria ser um escritor, escrever coisas boas, coisas úteis e ter um montão de leitores. Pronto. O que mais eu posso querer? Um ministério? Um carguinho público? Uma coluna no Estadão? Vocês estão brincando comigo. Eu não quero mais nada, estou feliz.

 

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade