Publicidade

Correio Braziliense

Com prisão de Pezão, últimos quatro governadores do Rio já foram detidos

Sérgio Cabral está detido desde novembro de 2016. Seus antecessores, Anthony Garotinho e Rosinha Garotinho, também já estiveram presos


postado em 29/11/2018 10:48 / atualizado em 29/11/2018 10:49

Os quatro últimos governadores eleitos do Rio: em algum momento, todos foram presos (foto: Mauro Pimentel/AFP, Cassiano Rosário/Futura Press/Folhapress, Vladimir Platonow/Agência Brasil e Governo do Rio de Janeiro/Divulgação)
Os quatro últimos governadores eleitos do Rio: em algum momento, todos foram presos (foto: Mauro Pimentel/AFP, Cassiano Rosário/Futura Press/Folhapress, Vladimir Platonow/Agência Brasil e Governo do Rio de Janeiro/Divulgação)
Com a prisão de Luiz Fernando Pezão (MDB), nesta quinta-feira (29/11), os últimos quatro governadores eleitos do Rio de Janeiro que assumiram o cargo já foram presos em algum momento. Pezão é o primeiro a ser detido durante o exercício do mandato.

Em setembro do ano passado, Anthony Garotinho, que foi eleito governador do Rio em 1998 e comandou o Rio de 1999 a 2002, teve prisão domiciliar decretada e foi encaminhado para casa por agentes da Polícia Federal enquanto apresentava um programa de rádio

A Justiça revogou a prisão, mas em novembro ele voltou a ser preso, desta vez, com a esposa, Rosinha Garotinho. Ela também foi eleita chefe do Executivo carioca, comandando o governo do Rio de Janeiro após o marido, entre 2003 e 2007.

Já Sérgio Cabral, que está detido desde novembro de 2016, foi eleito em 2007 e reeleito na eleição seguinte. Ele renunciou em 2014, momento em que Pezão assumiu o posto, sendo eleito para mais um mandato no mesmo ano.

Em desdobramento da Lava-Jato, Sérgio Cabral já foi condenado a mais de 100 anos de prisão, por crimes como corrupção, lavagem de dinheiro, organização criminosa e evasão de divisas. A ele é atribuído um grande esquema de corrupção que vigorou durante seus dois mandatos, com movimentação de mais de R$ 1 bilhão e cobrança de propina e superfaturamentos em áreas como transporte, obras e saúde. 
 
*Estagiário sob supervisão de Humberto Rezende 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade