Publicidade

Correio Braziliense

Gilmar pede vistas e julgamento do pedido de liberdade de Lula é adiado

Defesa do ex-presidente acusa o ex-juiz Sérgio Moro de parcialidade, por conta dele ter aceito o convite para ser ministro da Justiça


postado em 04/12/2018 18:04 / atualizado em 04/12/2018 18:12

(foto: Mauro Pimentel/AFP)
(foto: Mauro Pimentel/AFP)

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF) pediu vistas, ou seja, mais tempo para analisar o caso, durante o julgamento do pedido de liberdade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, nesta terça-feira (4/12). O habeas corpus do petista foi levado ao plenário da Segunda Turma da Corte.

No documento, a defesa pede que o juiz Sérgio Moro seja declarado suspeito no processo relacionado ao triplex do Guarujá. Os advogados de Lula sustentam que a parcialidade dele no caso "ficou evidente com a aceitação do convite para ser ministro da Justiça no governo do presidente eleito, Jair Bolsonaro". 

No momento em que Gilmar pediu vistas, já haviam dois votos, do relator, Edson Fachin e da ministra Cármen Lúcia. Ambos se posicionaram pela rejeição do pedido de liberdade. 
 
“O tema aqui não concerne a qualquer incidente da execução penal. Inexiste nesta impetração qualquer argumento de caráter humanitário que pode ser deduzido em habeas corpus. Os argumento a cerca da suposta imparcialidade já foram examinadas em 3 ações de suspeição interiormente apostas”, disse Fachin. Gilmar Mendes disse que precisa analisar novas provas, e acusações que foram feitas, envolvendo Moro. Com a decisão dele, o assunto só deve voltar a ser pautado na Turma no próximo ano. Lula, que está preso na Superintendência da Polícia Federalm, em Curitiba, permanece encarceirado até que caso seja retomado. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade