Publicidade

Correio Braziliense

'Se não fosse Bolsonaro, maioria não estava eleito', diz Bebianno

Integrante do futuro governo, Bebianno criticou os conflitos entre integrantes da legenda e pediu união dos novos parlamentares


postado em 10/12/2018 19:05

(foto: José Cruz/Agência Brasil)
(foto: José Cruz/Agência Brasil)

O futuro ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gustavo Bebianno, afirmou que a briga entre deputados eleitos pelo PSL é extremamente negativa para a legenda. Após a cerimônia de diplomação do presidente eleito, Jair Bolsonaro, realizada na tarde desta segunda-feira (10/12) no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ele criticou os conflitos internos entre integrantes da sigla.

Bebianno se referiu a brigas nas redes sociais, especialmente pelo Twitter e WhatsApp dos filhos de Bolsonaro com parlamentares da próxima legislatura, como com o deputado federal Julian Lemos. Em uma das brigas, a deputada Joice Hasselmann (PSL-SP) discutiu com o atual deputado e senador eleito Major Olímpio (PSL-SP). 

Bebiano disse que a maioria dos parlamentares foram eleitos por conta do efeito Bolsonaro, e devem tomar cuidados com os desafios da política. “Acho que o partido tem que estar unido. Precisa haver uma conscientização por parte da cada um. A grande maioria dos eleitos foram eleitos por conta de Jair Bolsonaro. Se não fossem a onda Bolsonaro a grande maioria não teria se elegido. Estão começando uma vida nova. Brasília é um ambiente inóspito. Pato novo não mergulha fundo”, disse.

No auge das discussões, o vereador licenciado do Rio de Janeiro, Carlos Bolsonaro, publicou no Twitter que Julian Lemos não é e nunca foi o coordenador do presidente eleito no Nordeste e ainda sugeriu que ele parasse de "tentar aparecer" em cima da imagem do futuro chefe do Executivo.
 
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade