Publicidade

Correio Braziliense

Paulo Guedes confirma Rogério Marinho como Secretário de Previdência

Parlamentar ficará encarregado de realizar a articulação no Congresso Nacional visando a aprovação de mudanças na legislação previdenciária


postado em 11/12/2018 18:26 / atualizado em 11/12/2018 19:46

(foto: Luis Nova/Esp. CB/D.A Press)
(foto: Luis Nova/Esp. CB/D.A Press)

O futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, confirmou a indicação do deputado federal (PSDB-RN) Rogério Marinho para a Secretaria Especial de Previdência. O parlamentar foi relator da reforma trabalhista e ficará encarregado de fazer a articulação no Congresso Nacional para aprovar mudanças na legislação previdenciária. 

Marinho disse que aceitou o convite para participar do governo Bolsonaro e ajudar no desafio da Previdência Social. "Vamos agora aprofundar o trabalho já feito por uma competente equipe de técnicos que estão debruçados sobre o tema há algum tempo. Chegamos para trabalhar em equipe e aprovar uma reforma ainda no primeiro semestre de 2019, capaz de contribuir para o equilíbrio fiscal do país, um projeto que permita ao Brasil voltar a crescer e se desenvolver, conforme as propostas de campanha do presidente Jair Bolsonaro. Vamos trabalhar sempre a favor do povo brasileiro e contra os privilégios", afirmou o deputado, em nota.

O anuncio foi realizado na tarde desta terça-feira (11/12) por meio de nota. Marinho foi secretário de Planejamento da Prefeitura de Natal, vereador e presidente da Câmara Municipal de Natal, e secretário estadual de Desenvolvimento Econômico do RN. 

O tucano também foi deputado por duas vezes, mas não conseguiu se reeleger em 2018. Além de Rogério Marinho, Leonardo Rolim será o Secretário Adjunto de Previdência. Rolim estava cotado para assumir a Secretaria anteriormente. 

Ele é da carreira de Consultor de orçamento da Câmara dos Deputados, tem mestrado em Direção e Gestão de Planos e Fundos de Pensão pela Universidad de Alcalá, Espanha, especialização em Administração (UnB) e em Políticas Públicas e Gestão Governamental (ENAP). Foi secretário de políticas de previdência social do Ministério da Previdência Social e presidente do Conselho Nacional dos Dirigentes de Regimes Próprios de Previdência Social (Conaprev).

Segundo a nota, a equipe de transição está "em fase final de preparação da nova estrutura do futuro Ministério da Economia". "Assim, o detalhamento do organograma e das atribuições de cada pasta será divulgado em breve", adiantou.

No último sábado, Guedes também confirmou a escolha de mais seis nomes para compor a pasta: Marcelo Guaranys, para secretário-executivo; Waldery Rodrigues Júnior, para secretário-geral de Fazenda; Esteves Colnago, secretário-adjunto de Fazenda; Paulo Uebel, para secretário-geral de Desburocratização, Gestão e Governo Digital; Gleisson Cardoso Rubin, para secretário-geral adjunto de Desburocratização, Gestão e Governo Digital; e Carlos da Costa, para secretário Geral de Produtividade e Competitividade.

O futuro ministro desistiu da intenção de juntar a Receita Federal e a Previdência Social em apenas uma secretaria. Tudo indica que o economista Marcos Cintra, que atua na equipe de transição do presidente eleito, Jair Bolsonaro, ocupe o Fisco. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade