Publicidade

Correio Braziliense

75% dos brasileiros acham que Bolsonaro 'está no caminho certo', diz CNI

Outros 14% apontam que está indo na direção errada. O restante não soube responder


postado em 13/12/2018 10:30 / atualizado em 13/12/2018 11:25

Jair Bolsonaro participa de almoço com artistas sertanejos, no Clube do Exército, em Brasília(foto: José Cruz/Agência Brasil)
Jair Bolsonaro participa de almoço com artistas sertanejos, no Clube do Exército, em Brasília (foto: José Cruz/Agência Brasil)

 
Os brasileiros estão otimistas com governo do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL). Segundo levantamento da Confederação Nacional da Indústria (CNI), 75% da população acham que ele e sua equipe estão no caminho certo. Outros 14% apontam que está indo na direção errada. O restante não soube responder. A publicação foi divulgada da manhã desta quinta-feira (13/12). 

Além disso, a expectativa é positiva para o governo Bolsonaro. Do total, 64% avaliam que a gestão dele será ótima ou boa. Regular (18%), ruim (4%) e péssimo (10%) completam o levantamento. Além disso, 4% não souberam ou quiseram responder. 
 
Expectativa sobre o governo do presidente Jair Bolsonaro

Ótimo         25%

Bom 39%

Regular 18%

Ruim 4%

Péssimo 10%

Não sabe/não respondeu 4%

De acordo com a CNI, dois em cada três brasileiros estão otimistas para 2019 e para o futuro do país. Quando questionados sobre o que esperam da situação econômica, 66% acreditam que vai “melhorar” ou “melhorar muito”. Outros 20% avaliam que vai ficar igual, enquanto 7% esperam “piorar” ou “piorar muito”.

Sobre a própria vida, a maioria dos brasileiros (69%) também acreditam que vai “melhorar” ou “melhorar muito”. Na contramão, 11% estão pessimistas e 19% avaliam que ficará igual. 

Na visão de 43% dos brasileiros, a segurança pública é o tema que mais vai melhorar em 2019. Em seguida, aparece corrupção (37%) e desemprego (36%). Na contramão, as áreas que mais devem piorar são as de custo de vida/inflação (11%), desemprego (10%) e desigualdade social (9%). 

Governo de transição


A CNI também perguntou aos entrevistados sobre as medidas e nomes já anunciados até então. Entre os brasileiros, apenas 29% se dizem “informados” ou “muito informados” sobre as indicações para cargos de alto escalão do governo. 31% estão “mais ou menos” e 20% estão “pouco” informados. O restante não soube ou não quis responder.

Da parcela que se diz pelo menos um pouco informada, 55% acreditam que as indicações foram adequadas. A aprovação sobe para 77% aos que se dizem “muito informados”. 

A pesquisa também ressaltou que um em cada três brasileiros se diz muito informado ou informado sobre as propostas anunciadas. Os poucos informados estão em 16%. Outros 16% não sabem de nada sobre as propostas. 

O grau de aprovação das medidas é maior quando as pessoas se classificam como “muito informado”, chegando a 82% de aceitação das propostas. As ações mais lembradas são da reforma da Previdência (12%) e a liberação da posse ou porte de armas (9%). 

Quando questionados sobre as propostas, porém, 40% das pessoas afirmaram não lembrar de nenhuma e outros 7% não souberam ou não quiseram responder. O gerente-executivo de pesquisas da CNI, Renato da Fonseca, ressaltou que é normal as pessoas darem um “voto de confiança” no início de governo, o que afeta a pesquisa. 

A pesquisa foi feita entre 29 de novembro e 2 de dezembro em entrevista com 2 mil eleitores em 127 municípios. A margem de erro é de dois pontos para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%. O estudo foi feito antes das notícias do envolvimento da família Bolsonaro com transações suspeitas no Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf). Segundo Fonseca, não é possível mensurar o impacto do caso na popularidade do presidente eleito.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade