Publicidade

Correio Braziliense

Grupos a favor e contra soltura de Lula protestam em frente ao STF

O presidente do Supremo, Dias Toffolli, no entanto, derrubou a liminar que autorizava a soltura dos presos a pedido da Procuradoria-Geral. Por volta de 17h30, policiais militares contabilizavam cerca de 30 manifestantes Pró-Lula em frente ao STF e aproximadamente 100 contra a decisão


postado em 19/12/2018 19:58 / atualizado em 19/12/2018 20:43

Ver galeria . 19 Fotos Arthur Menescal/Esp.CB/DA PRess
(foto: Arthur Menescal/Esp.CB/DA PRess )

A decisão do ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), de soltar todos os condenados em segunda instância de Justiça levou manifestantes a protestarem em frente à Corte. Grupos pró-Lula e o Movimento Brasil Livre (MBL) se concentraram na Praça dos Três Poderes, porque a decisão abria caminho para que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva deixasse a prisão, onde está desde 7 de abril de 2018.
 
Grupos antagônicos se reuniram em frente ao STF após decisão do ministro Marco Aurélio(foto: Arthur Menescal/CB/D.A Press)
Grupos antagônicos se reuniram em frente ao STF após decisão do ministro Marco Aurélio (foto: Arthur Menescal/CB/D.A Press)
 
O presidente do Supremo, Dias Toffolli, no entanto, derrubou a liminar que autorizava a soltura dos presos a pedido da Procuradoria-Geral da República. Ao saber da notícia, manifestantes contrários a Lula comemoraram e provocaram os seguidores do ex-presidente. Integrantes do movimento MBL projetaram, ainda, a palavra "vergonha" na cor verde no prédio do STF.
 
Integrantes do movimento MBL projetaram a palavra
Integrantes do movimento MBL projetaram a palavra "vergonha" no prédio do STF (foto: Arthur Menescal/CB/D.A Press)
 
Por volta de 17h30, policiais militares contabilizavam cerca de 30 ativistas pró-Lula em frente ao STF e aproximadamente 100 contra a decisão. Em alguns momentos, houve troca de acusações e bate-boca entre os integrantes dos dois grupos.

Por causa da troca de animosidades, a PM formou uma linha entre os grupos antagônicos. Ao todo, 25 militares faziam a segurança.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade