Publicidade

Correio Braziliense

Deputada culpa TRE por briga com socos na diplomação dos eleitos em MG

Beatriz Cerqueira cobrou do cerimonial a devolução da placa da 'discórdia', arrancada de suas mãos


postado em 20/12/2018 13:37

(foto: Reprodução)
(foto: Reprodução)

Dona do cartaz que acabou causando uma troca de socos inédita entre dois parlamentares eleitos por Minas Gerais, no Palácio das Artes, na noite da diplomação nessa quarta-feira (19/12), a sindicalista Beatriz Cerqueira (PT), eleita para a Câmara dos Deputados, culpou o Tribunal Regional Eleitoral pela confusão.

Em texto nas redes sociais, ela afirma que chegou a consultar o órgão e que não havia qualquer impedimento para segurar a placa com os dizeres “Lula Livre”. A parlamentar pede ao cerimonial do evento que devolva o material que foi arrancado de suas mãos pela mestre de cerimônia.
 
“É um objeto que não lhe pertence e não tem o direito de ficar com ele. Fica apenas com a responsabilidade do que fez hoje e com silêncio e omissão que teve diante da hostilidade que pessoas com pensamento diferente vivenciaram”, afirmou Beatriz Cerqueira, se dirigindo ao TRE.


 
Segundo Cerqueira, a mestre de cerimônias resolveu atender aos apelos de parte da plateia e a um outro deputado, que a incentivou a tomar a placa. "A exceção de estado fica nítida quando uma mestre de cerimônia toma partido, concorda com a opinião de convidados que gritavam na plateia e de outro deputado que estava sendo diplomado e se sente no direito de arrancar das mãos de uma deputada eleita que estava sendo diplomada a sua identidade partidária", disse.
 
Os ânimos, que já estavam acirrados, se exaltaram de vez depois que a mestre de cerimônias arrancou a placa de “Lula Livre” das mãos da deputada eleita, que estava sentada na primeira fileira do palco e exibia o recado desde o início do evento, causando desconforto a parte da plateia. 

Assim que ela teve o material subtraído, o correligionário deputado Rogério Correia (PT) foi ao centro do palco exibir outro cartaz com o mesmo recado. Neste momento, o deputado federal eleito Cabo Juno Amaral (PSL) arrancou a placa do petista, que reagiu com um soco. Cabo Amaral revidou com outro soco e os colegas precisaram apartar a briga. C
 
Até a manhã desta quinta-feira (20/12) o TRE ainda não se posicionou sobre o caso. Na noite de ontem, o presidente do órgão Pedro Bernardes disse que iria se inteirar do ocorrido para se pronunciar.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade