Publicidade

Correio Braziliense

Heleno: Bolsonaro tem 'clara intenção' de mudar embaixada para Jerusalem

Ministro do GSI disse à imprensa que, embora não seja uma decisão definitiva, o presidente mantém a ideia. Só aguarda que tenha outra embaixada disponível para ser ocupada pelos profissionais brasileiros


postado em 03/01/2019 18:27

(foto: Fabio Rodrigues Pozzebom)
(foto: Fabio Rodrigues Pozzebom)

O ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general da reserva Augusto Heleno, disse, nesta quinta-feira (3/1), que ainda não há uma decisão definitiva sobre a transferência da embaixada brasileira em Israel. No entanto, há uma “clara intenção” do governo para a medida. A afirmação foi dada após a visita do presidente Jair Bolsonaro à Secretaria de Segurança e Coordenação Presidencial. 

“É um pensamento do presidente por enquanto. Se acontecer, vai acontecer com precaução e mostrando à comunidade árabe que não é nenhuma provocação. É natural, até porque quem disse que a capital era Jerusalém foram os próprios israelenses. Estamos apenas cumprindo uma determinação deles. É como se obrigasse todas as embaixadas a continuarem no Rio de Janeiro depois que Juscelino Kubtscheck trasnferiu a capital para Brasília”, disse. 

Além disso, Heleno afirmou também que é “natural” que aconteça uma aproximação do Brasil com Israel e Estados Unidos na área de defesa. “Temos capacidades bem desenvolvidas em termos de inteligência e troca de informações. A tendência, até pela evolução tecnológica dos equipamentos, é cada vez melhorar mais. Israel tem grande conhecimento nesse assunto por razões óbvias, assim como os EUA”, disse. O ministro, contudo, ressaltou que, para que haja mudanças, existem gastos e custos. E, atualmente, o Brasil deve “pensar muito” antes de gastar.  

General Heleno comentou ainda o saldo final da reunião ministerial, que ocorreu nesta manhã. Segundo o ministro, o encontro será marcado com uma periodicidade razoável. “Essa reunião é importante para a troca de informações e conhecimentos. Estamos começando um governo. É importante que todos se conheçam cada vez mais. Precisamos nos sentir uma equipe”, complementou. O ministro não escondeu que várias autoridades ainda “estão tomando conhecimento de suas áreas pouco a pouco”, mas mantém a troca de ideias com “absoluta clareza e sinceridade”. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade