Publicidade

Correio Braziliense

Bolsonaro fala em sistema para "violentar" finanças após gasto com carros

O presidente se pronunciou pelas redes sociais depois que o o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, apontou gasto de quase R$ 30 milhões em aluguel de carros da pasta


postado em 06/01/2019 17:36 / atualizado em 06/01/2019 18:34

Bolsonaro afirmou nas redes sociais que seu governo está
Bolsonaro afirmou nas redes sociais que seu governo está "em ritmo acelerado, desmontando rapidamente montanhas de irregularidades e situações anormais que estão sendo e serão comprovadas e expostas" (foto: AFP/Marcos Correa)

 

Após o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, postar nas redes sociais um comentário a respeito de contrato de aluguel de carros para o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), o presidente Jair Bolsonaro afirmou que havia no Brasil um sistema para "violentar financeiramente" as contas públicas.

Nem Bolsonaro nem Salles deram detalhes sobre quais seriam as irregularidades na contratação de aluguel de carros.

Em sua conta no Twitter, o ministro escreveu: "Quase 30 milhões de reais em aluguel de carros, só para o IBAMA....". A postagem é seguida de uma imagem de um extrato de contrato publicado no Diário Oficial da União no dia 10 de dezembro de 2018. O texto destaca uma contratação pelo Ibama de serviço de "locação de veículos utilitários, sem motorista, com fornecimento de combustível e pagamento mensal fixo mais quilometragem livre rodada" no valor de R$ 28,712 milhões. A vigência é de 7 de dezembro de 2018 a 7 de dezembro de 2019. A contratada é a Companhia de Locação das Américas.

Bolsonaro comentou: "A certeza é; havia todo um sistema formado para principalmente violentar financeiramente o brasileiro sem a menor preocupação!". Escreveu ainda que seu governo está "em ritmo acelerado, desmontando rapidamente montanhas de irregularidades e situações anormais que estão sendo e serão comprovadas e expostas".

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade