Publicidade

Correio Braziliense

Sem nomeação, secretário já usa instalações do Ministério da Agricultura

Fernando Henrique Kohlmann Schwanke, futuro secretário de Agricultura Familiar e Cooperativismo modificou gabinetes. Órgão subordinado ao Ministério da Agricultura será criado em 25 de janeiro


postado em 10/01/2019 17:16 / atualizado em 10/01/2019 22:14

Fernando Henrique Kohlmann com a ministra Tereza Cristina(foto: Divulgação/Antônio Araujo/Ministério da Agricultura )
Fernando Henrique Kohlmann com a ministra Tereza Cristina (foto: Divulgação/Antônio Araujo/Ministério da Agricultura )

Servidores do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e da Casa Civil estão reclamando de Fernando Henrique Kohlmann Schwanke, futuro secretário de Agricultura Familiar e Cooperativismo. É que antes mesmo de ser nomeado, ele já ocupa gabinetes, salas e utiliza toda a estrutura da pasta. O órgão que ele chefiará será criado somente em 25 de janeiro, com a restruturação da pasta, mas desde 2 de janeiro, ele promove alterações nos ambientes. 

A situação incomodou de tal forma, que uma denúncia anônima foi registrada no Sistema de Ouvidorias do Poder Executivo Federal  (e-OUV). Além disso, queixas foram encaminhadas para órgãos como a Controladoria-Geral da União (CGU), a Presidência da República e o comando do Ministério da Agricultura. Indignados, os funcionários falam que ele está cometendo usurpação de cargo público. 

O imbróglio na pasta começou quando a nova equipe de governo modificou a disposição de salas e alocação de funcionários. Placas que indicavam gabinetes e setores inteiros foram substituídas pelas nomenclaturas dos órgãos que serão criados. Com a mudança, alguns servidores ficaram sem local de trabalho. Com a reestruturação, até objetos de locais inventariados foram retirados. Itens pessoais de servidores foram levados pela equipe de limpeza. 
 
Placas com nomes de órgãos que ainda não foram criadas já estão delimitando salas e gabinetes(foto: Material cedido ao Correio)
Placas com nomes de órgãos que ainda não foram criadas já estão delimitando salas e gabinetes (foto: Material cedido ao Correio)
 

"(Fernando) ocupa o cargo em comissão sem estar nomeado no alto escalão, possuindo, ascendência funcional sobre os demais servidores. Não é justo com o servidor público que estudou para passar em um concurso ser 'comandado' por pessoas que sequer nomeação tem", contesta a denúncia anônima. 

O Ministério da Agricultura disse, em nota, que apesar de Fernando ter sido indicado ao cargo, ele ainda não praticou nenhum ato de gestão e minimizou os transtornos. "O futuro secretário está apenas tomando conhecimento da nova pasta", explicou, nesta quinta-feira (10/1). O Correio entrou em contato com a Presidência da República, que não comentou o assunto. 

Reestruturação da pasta


Indicado pela ministra Tereza Cristina, Fernando comandará uma nova secretaria que vai unir as atribuições da Secretaria Especial de Agricultura Familiar e da Secretaria de Mobilidade e Cooperativismo. A primeira fazia parte da estrutura da Casa Civil e a outra já pertencia ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Ao todo, a pasta ganhou três novas secretarias.

Engenheiro florestal, Fernando Schwanke é ex-prefeito de Rio Pardo, município do Rio Grande do Sul. Filiado ao MDB, participou da equipe técnica de transição do governo do presidente Jair Bolsonaro no Ministério da Agricultura. Antes de ser indicado à pasta, atuava como consultor nacional do Sebrae para certificações e consultor da Organização das Nações Unidas para a Agricultura (FAO). Trabalhava na Companhia de Pesquisas e Recursos Minerais de Santa Catarina. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade