Publicidade

Correio Braziliense

Em cerimônia marcada pela emoção, Villas Bôas deixa comando do Exército

O general Eduardo Villas Bôas, acometido por ELA, pediu para que seu discurso fosse lido e defendeu o acolhimento de todas as pessoas e o respeito às diferenças


postado em 11/01/2019 11:47 / atualizado em 11/01/2019 12:10

Villas Bôas agradeceu brevemente as autoridades presentes, como o presidente Jair Bolsonaro, e em seguida pediu que fosse realizada a leitura de seu discurso(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
Villas Bôas agradeceu brevemente as autoridades presentes, como o presidente Jair Bolsonaro, e em seguida pediu que fosse realizada a leitura de seu discurso (foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
O general Eduardo Villas Bôas deixouo comando do Exército na manhã desta sexta-feira (11/1), em Brasília. Ele passou o cargo para o general Edson Leal Pujol, em cerimônia que contou com a presença do preseidente Jair Bolsonaro e outras autoridades, como o ministro da Justiça, Sérgio Moro; o vice-presidente Hamilton Mourão; o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli; e o ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes.

Acometido pela esclerose lateral amiotrófica (ELA), doença degenerativa que afeta gravemente a coordenação motora, Villas Bôas agradeceu brevemente os presentes e, em seguida, pediu que fosse realizada a leitura de seu discurso.

No texto, Villas Bôas defendeu o respeito às diferenças e destacou a importância de se preservar o meio-ambiente, os povos indígenas. Ele ressaltou que o "Exército acolhe a todos, independentemente de raça, crença, ideologia e origem". Ele foi aplaudido de pé após a leitura do discurso.

O general também fez vários agradecimentos, como a Toffoli, à procuradora-geral da República, Raquel Dodge; aos ex-presidentes Dilma Rousseff e Michel Temer e à imprensa, que "sempre se mantém vigilante", além de citar diversos colegas da Força.

Ver galeria . 10 Fotos Ed Alves/CB/D.A Press
(foto: Ed Alves/CB/D.A Press )


Sentimento patriótico adormecido

Villas Bôas afirmou que a chegada de Bolsonaro à Presidência revive o espírito do povo brasileiro como nação. "A posse do presidente Bolsonaro foi despertar um sentimento patriótico há muito tempo adormecido. O ministro Sérgio Moro, que trouxe o sentimento de Justiça; o presidente do STF, Dias Toffoli, que desde que assumiu conectou a sociedade com os anseios do país", afirmou.


Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade