Publicidade

Correio Braziliense

Governo prorroga ações de acolhimento de venezuelanos em Roraima

Os ministros que visitaram Boa Vista anunciaram que a Operação Acolhida, de assistência a refugiados venezuelanos que migram para o Brasil, será prorrogada por mais 12 meses. As ações estavam previstas para acabar em março


postado em 18/01/2019 16:59

(foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
(foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
A primeira visita de membros da gestão do presidente Jair Bolsonaro ocorreu nesta quinta-feira (17/1), em Roraima. A comitiva interministerial formada pelos ministros da Defesa, Cidadania, Transparência, Saúde, Educação e da Secretaria Nacional da Justiça chegou a Boa Vista para verificar as ações de acolhimento aos migrantes venezuelanos. 

Os ministros que visitaram Boa Vista anunciaram que a Operação Acolhida, de assistência a refugiados venezuelanos que migram para o Brasil, será prorrogada por mais 12 meses. As ações estavam previstas para acabar em março. 

Durante todo o dia, a comissão visitou as instalações do quartel general da Força-Tarefa Logística Humanitária, que é responsável pelo acolhimento dos refugiados venezuelanos no Estado, localizado dentro da Base Área de Boa Vista, dois abrigos para migrantes na capital e o posto de triagem de atendimento aos estrangeiros.

Por volta das 17 horas, os ministros participaram de uma reunião com o governador do Estado, Antonio Denarium (PSL), na sede do Palácio do Governo. Após a reunião, por volta das 18h30, a comitiva apresentou um balanço das atividades em coletiva de imprensa.

O ministro da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva, informou que não é planejada nenhuma ação mais rigorosa na fronteira, muito menos de fechamento. "Como vamos virar as costas para quem procura um prato de comida? É uma questão de ajuda humanitária. Não há possibilidade de fechamento de fronteira agora, mas não temos bola de cristal. Esperamos que a situação na Venezuela vá evoluir para melhor."

Azevedo e Silva não revelou o valor que será investido na ação. De acordo com o general Eduardo Pazuello, que comanda a Operação Acolhida em Roraima, o montante já alocado garante as atividades até março deste ano e, por enquanto, ainda estão sendo realizados estudos para saber os valores dos recursos destinados ao Estado.

O ministro da Cidadania, Osmar Terra, informou que os municípios que se dispuserem a receber os migrantes no processo de interiorização também poderão receber benefícios e não somente de recursos. A ideia estudada é que o governo federal crie creches voltadas especificamente para este público. Uma discussão com os municípios será realizada antes do anúncio oficial de qualquer atividade.

Com o fim das atividades em Boa Vista, a comitiva segue para Pacaraima, na fronteira com a Venezuela, nesta sexta-feira (18/1).

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade