Publicidade

Correio Braziliense

Bebianno: 'O tempo é o senhor da razão. Vou falar depois'

Confira entrevista com Gustavo Bebianno


postado em 18/02/2019 06:00 / atualizado em 20/02/2019 17:45

(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
Seis perguntas para

Gustavo Bebianno,  ministro da Secretaria-Geral da Presidência

Era um homem abatido. Gustavo Bebianno deixou, no começo da tarde de domingo, o hotel onde reside e se isolou desde o início da crise política para almoçar. Ele passou uma hora e meia com amigos próximos numa mesa do Tejo, restaurante de comida portuguesa na 404 Sul. Na saída, Bebianno relatou à reportagem que ainda tenta “equalizar” todo o processo que deverá resultar na sua exoneração do cargo. Cortês, tirou selfie com um eleitor e disse que não era hora de comentar o assunto.

Quais os próximos passos do senhor?
O tempo é o senhor da razão. Vou falar depois. Por ora, vou ficar quieto, acalmar minha cabeça. Quem sofre uma injustiça dessas não fica com a cabeça boa. Antes dos meus interesses, pode parecer clichê, mas não é, estavam os interesses do país. Trabalhei, fiz o que fiz por garra, não foi por emprego ou para ganhar dinheiro.

O senhor trabalhou nos últimos dois anos para eleger o presidente...
Não sou perfeito, mas (abaixa a cabeça)...

O senhor fez alguma coisa que tenha levado o presidente a optar pela sua saída?
Absolutamente nada. Zero.

Há uma injustiça?
100%. O presidente sabe.

Sabe?
Sabe, não é maluco.

Qual a posição do senhor em relação ao vereador Carlos Bolsonaro? Ele passou dos limites?
Vou falar depois que sair. Na hora certinha eu falo. Estou equalizando minha cabeça.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade