Publicidade

Correio Braziliense

Filhos de Bolsonaro usam as redes sociais para comentar caso Bebianno

Desde o início da polêmica, o vereador Carlos Bolsonaro foi quem mais se manifestou. Por meio do Twitter, ele negou que Bebianno havia falado três vezes com o presidente


postado em 18/02/2019 19:15 / atualizado em 18/02/2019 19:16

(foto: Sérgio Lima e Mauro Pimentel/AFP)
(foto: Sérgio Lima e Mauro Pimentel/AFP)
 
A polêmica envolvendo o ex-ministro da Secretaria Geral, Gustavo Bebianno, foi alvo de críticas dos filhos do presidente Jair Bolsonaro. Durante todo o caso, por meio das redes sociais, eles fizeram manifestações em defesa do pai.

Desde o início da polêmica, o vereador Carlos Bolsonaro foi quem mais se manifestou. Por meio do Twitter, na quarta-feira (13/2), ele negou que Bebianno havia falado três vezes com o presidente Bolsonaro no hospital, fato que refletiu consideravelmente na resolução do conflito.

 
 
A partir daí, o filho do presidente se manifestou retuitando mensagens sobre o caso e fez sua última manifestação na quinta-feira (14/2), se defendendo contra ataques feitos a ele. “[...] Por que focam as baterias para me atacar se simplesmente disse a verdade?”, tuitou. 
 
 

Senador pelo Rio de Janeiro, Flávio Bolsonaro, não se pronunciou nas redes sobre o caso. Ele tem mantido uma postura de distanciamento de declarações polêmicas à mídia. Seu suplente, Paulo Marinho, afirmou, no domingo (17/2), que vê a atuação dos filhos do Presidente em assuntos governamentais com “maus olhos”. 

Flávio é alvo de investigações, depois que o Centro de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) identificou movimentações atípicas na conta do senador, incluindo 48 depósitos em 2017 de mais de dois mil reais em dois meses, um título bancário de um milhão e transferências que somam 1,2 milhão na conta de seu ex-motorista, Fabrício Queiroz.

Eduardo Bolsonaro se manifestou nas redes sociais apenas repostando informações sobre o caso. Na segunda-feira (18/2), o deputado divulgou um texto o qual chama Bebianno de “traidor” e “funcionário incompetente”, além de afirmar não haver crise alguma. 
 
 

Hoje, a tag #EuVoteiNoBolsonaro reuniu eleitores em prol da defesa do presidente Jair Bolsonaro pela polêmica com Bebianno. “Eu votei no Bolsonaro, não no partido”, “Não elegi Bebianno”, afirmam apoiadores em alguns tuites. 
 
Gustavo Bebianno foi exonerado do cargo de ministro depois da crise com a família Bolsonaro, após o PSL ter sido acusado de ter feito candidatura laranja durante as eleições. Na época, Bebianno tinha a função de presidente do partido e era responsável pelos repasses aos candidatos. 
 
* Estagiárias sob supervisão de Anderson Costolli 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade