Publicidade

Correio Braziliense

Raquel Dodge mantém investigação contra Flávio Bolsonaro na Justiça comum

Senador alegou ter direito ao foro privilegiado em decorrência do cargo. Com a decisão, investigações continuam tramitando no Rio de Janeiro


postado em 21/02/2019 16:30

(foto: Isac Nóbrega/PR)
(foto: Isac Nóbrega/PR)
 
A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, decidiu manter na Justiça Federal do Rio de Janeiro a investigação sobre suposta prática de lavagem de dinheiro e falsidade ideológica por parte do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ). De acordo com a procuradora, os fatos imputados a ele ocorreram antes dele ser diplomado senador, por isso, não se enquadram nas regras do foro privilegiado.

A Polícia Federal apontou aumento patrimônio incompatível com as atividades desenvolvidas por Flávio. A suspeita é de que ele lavou dinheiro por meio da venda de imóveis e mentiu em declarações realizadas à Justiça Eleitoral.

O senador alega que está sendo alvo de uma campanha difamatória promovida por um advogado ligado ao PT "com o único intuito de provocar desgaste político aos adversários".  O caso estava com Raquel Dodge desde o dia 06 deste mês.

Ela precisou avaliar se enviava as investigações ao Supremo Tribunal Federal (STF) ou se mantinha no Rio de Janeiro. A defesa do senador alegou que as acusações se referem ao mandato e que tiveram início após ele ter sido eleito, o que daria direito ao foro privilegiado. No entanto, Dodge lembrou que a situação teria ocorrido em um período anterior ao exercício de cargo.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade