Publicidade

Correio Braziliense

Lula acompanha o velório do neto de 7 anos em São Bernardo do Campo

Após receber autorização da Justiça, o ex-presidente foi levado de avião de Curitiba a São Bernardo do Campo (SP), onde se despediu de Arthur


postado em 02/03/2019 11:33 / atualizado em 02/03/2019 15:32

Ver galeria . 6 Fotos Lula acena para simpatizantes ao deixar cemitérioMiguel Schincariol/AFP
Lula acena para simpatizantes ao deixar cemitério (foto: Miguel Schincariol/AFP )
 
 O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva acompanhou, neste sábado (2/3), o velório do neto Arthur Lula da Silva, de 7 anos, em São Bernardo do Campo (SP).O garoto faleceu na sexta-feira, vítima de meningite.
 
Lula chegou ao Cemitério Jardim da Colina no fim da manhã, escoltado por 26 agentes e dois delegados da Polícia Federal. Passou cerca de duas horas no local, onde acompanhou a cremação do corpo do neto. Impedido de falar com apoiadores, Lula falou apenas para familiares e amigos durante a cerimônia do velório. "Vou provar pra você que não sou ladrão", prometeu o ex-presidente. De lá, foi conduzido de helicóptero ao Aeroporto de Congonhas para, em seguida, embarcar em avião de volta a Curitiba, onde fica a carceragem da Polícia Federal, na qual está preso. 

O ex-presidente entrou e saiu sem dar declarações à imprensa e sem falar com militantes do PT. Foi permitido a ele apenas acenar para o público na saída. De lá, seguiu para ser levado de volta à carceragem da Polícia Federal em Curitiba, onde cumpre pena.

A direção do cemitério Jardim da Colina, onde o velório é realizado, autorizou a entrada de simpatizantes,que receberam o ex-presidente aos gritos de "Lula, guerreiro do povo brasileiro" e de "Lula livre". Eram milhares de pessoas. Mais cedo, a presença de policiais militares de São Paulo armados no local do velório incomodou a família Lula da Silva. 

Coube ao presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, acompanhado da presidente nacional do PT, deputada federal Gleisi Hoffmann, explicar aos militantes que Lula não poderia falar com eles, uma condição imposta pela Justiça. Outras lideranças petistas, como José Genoíno e a
ex-presidente Dilma Rousseff também estavam presentes.

Autorização da Justiça

Lula deixou a carceragem da Polícia Federal (PF) em Curitiba, no Paraná, por volta de 7h deste sábado, e viajou, em um avião do governo do estado. O ex-presidente chegou ao aeroporto de Congonhas, em São Paulo, por volta das 8h30. De lá, um helicóptero o levou até São Bernardo do Campo, onde fica o cemitério. Escoltado por policiais federais, ele chegou ao cemitério no fim da manhã. A juíza Carolina Lebbos, da 12.ª Vara Federal, autorizou, na sexta-feira, que o ex-presidente fosse à cerimônia. 

Arthur Araújo Lula da Silva, filho de Sandro Luís Lula da Silva, um dos três filhos do ex-presidente com a ex-primeira-dama Marisa Letícia, morreu na sexta, vítima de meningite meningocócica. 

Carolina autorizou a participação de Lula no velório, mas ordenou o sigilo sobre os detalhes do deslocamento "a fim de preservar a intimidade da família e garantir não apenas a integridade do preso, mas a segurança pública".
 
Militantes e apoiadores aguardavam a chegada do ex-presidente(foto: MIGUEL SCHINCARIOL)
Militantes e apoiadores aguardavam a chegada do ex-presidente (foto: MIGUEL SCHINCARIOL)
 
 

Preso 

Lula está preso desde 7 de abril do ano passado pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do triplex do Guarujá (SP). A pena é de 12 anos e um mês de prisão.

Em janeiro, o ex-presidente pediu autorização para sair da prisão e comparecer ao velório do irmão, Genival Inácio da Silva, conhecido como Vavá, que morreu em decorrência de câncer no pulmão. No entanto, o pedido foi negado pela juíza federal Carolina Lebbos.

A decisão foi confirmada pelo desembargador federal Leandro Paulsen, do TRF4, mas o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, aceitou recurso da defesa e autorizou a saída de Lula. A liminar foi proferida cerca de 30 minutos antes do sepultamento do corpo e Lula não foi ao enterro. 


Repercussão

A liberação de Lula para ir ao enterro do neto teve repercussão na imprensa da América Latina, Europa e Canadá. O site da rede britânica BBC destacou a notícia na editoria de América Latina. Uma reportagem do The Toronto Star destaca que o governo do Paraná ofereceu um jato para transporta o ex-presidente e o Diário de Notícias, de Portugal, também apontou o fato.  

O diário italiano Il Messaggero exibiu, entre suas manchetes, Lula, luto pelo ex-presidente do Brasil: neto de 7 anos morre por meningite. A versão online do francês Le Figaro destacou "Brasil: Lula tem permissão de sair da prisão para enterro do neto".

Entre os jornais latino-americanos, o argentino Clarín publicou: "Neto de Lula da Silva morre por meningite e ex-presidente sairá da prisão para funeral". O chileno El Mercurio também citou a liberação de Lula e o portal do periódico mexicano Milênio explicou que  Lula sairia da prisão para dar último adeus ao neto. 


Com informações das Agências Brasil e Estado.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade