Publicidade

Correio Braziliense

Juíza proibiu declarações públicas em ida de Lula ao velório do neto

Magistrada se baseou em decisão anterior do ministro Dias Toffoli e também proibiu a presença da imprensa e militantes


postado em 06/03/2019 17:41

(foto: Miguel Schincariol/AFP)
(foto: Miguel Schincariol/AFP)
 
Na decisão que autorizou a ida do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao velório do neto, na semana passada, a juíza Carolina Lebbos, da 12ª Vara Federal de Curitiba, proibiu que ele fizesse declarações públicas e determinou que militantes não fossem convocados para o local, Além disso, a magistrada também restringiu a presença da imprensa na cerimônia fúnebre. 

De acordo com o despacho, as medidas foram tomadas para evitar problemas de segurança. O processo estava em sigilo deste a sexta-feira (29/2) e foi liberado ao acesso público nesta quarta-feira (6/3). 

Para autorizar a saída do petista, Carolina citou que o Ministério Público Federal (MPF) e a Polícia Federal (PF) concordaram com a solicitação da defesa. No entanto, ela citou uma decisão anterior do ministro Dias Toffoli, que impôs restrições para que o direito fosse concedido. “Deverão ainda ser observadas as demais condições impostas pelo Exmo. Min. Dias Toffoli na decisão proferida na Rcl 31.965/PR: presença de um advogado constituído; vedação de uso de celulares ou outros meios de comunicação externo, sob pena de incorrer em falta grave (artigo 50, VII, da Lei de Execução Penal); proibição da presença da imprensa no local; e proibição de declarações públicas”, determina um trecho da decisão.

Lula cumpriu as regras e não fez declarações públicas, nem falou com a imprensa. No velório, de acordo com testemunhas, o ex-presidente afirmou que o neto era alvo de críticas por conta da prisão dele, e prometeu que “provaria sua inocência”, mesmo que fosse o último ato que fizesse. 
 
Ver galeria . 6 Fotos Lula acena para simpatizantes ao deixar cemitérioMiguel Schincariol/AFP
Lula acena para simpatizantes ao deixar cemitério (foto: Miguel Schincariol/AFP )
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade