Publicidade

Correio Braziliense

Dados sigilosos da reforma da Previdência serão liberados nesta quinta

O secretário de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, mostrará os números às lideranças partidárias na residência oficial do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia


postado em 25/04/2019 06:00

Residência oficial da presidência da Câmara dos Deputados (foto: Ed Alves/CB/D.A Press )
Residência oficial da presidência da Câmara dos Deputados (foto: Ed Alves/CB/D.A Press )
 

O pedido de parlamentares para tirar o sigilo dos dados que embasaram a reforma da Previdência será atendido hoje, em um encontro na residência oficial do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). O secretário de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, mostrará os números às lideranças partidárias. Todas as siglas de centro foram convocadas para o café da manhã — apenas a oposição ficou de fora. Os estudos vão servir como referência para membros da Comissão Especial analisarem os principais pontos do texto que devem ser ou não alterados.

É mais um passo no engajamento do Executivo na aprovação da PEC. Ontem, o presidente Jair Bolsonaro fez um pronunciamento em rede nacional em defesa da reforma (Leia mais na página 3). Mais cedo, Maia havia classificado o resultado positivo na CCJ como uma vitória do Legislativo. Segundo ele, o governo começou a ajudar “nos últimos dias”. “O ministro Onyx (Lorenzoni, da Casa Civil) passou a ter uma participação mais efetiva, dialogando, conversando com líderes. Isso também ajudou, mostrando que há, por parte do governo, interesse em dialogar”, comentou.

Líderes do Centrão se mostram mais abertos ao governo e percebem movimentações para a criação da base aliada no Parlamento. A escolha do presidente e do relator da Comissão Especial será um indicativo de como o caminho será. Uma figura forte que agrada os parlamentares é Marcelo Ramos (PR-AM). Para a relatoria, estavam cotados membros do PSDB. Segundo Maia, o partido tem mostrado interesse na aprovação da reforma desde o início da tramitação. (AA e GV)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade