Publicidade

Correio Braziliense

"A esquerda tomou grande parte das universidades e escolas", diz Bolsonaro

O presidente do Brasil também reforçou a parceria que pretende construir com o país norte-americano durante seu mandato: 'O Brasil de hoje é amigo dos Estados Unidos e respeita os Estados Unidos'


postado em 16/05/2019 15:58 / atualizado em 16/05/2019 16:46

(foto: Reprodução/TV Brasil)
(foto: Reprodução/TV Brasil)
Após receber a homenagem e o prêmio de personalidade do ano da Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos, nesta quinta-feira (16/5), em Dallas, no Texas, o presidente Jair Bolsonaro voltou a citar os protestos contra o bloqueio no orçamento das universidades. "Vimos algumas capitais com marchas pela educação como se a educação até o fim do ano passado fosse uma maravilha no Brasil. Temos potencial humano fantástico, mas a esquerda brasileira entrou, infiltrou e tomou, não só a imprensa brasileira, mas também grande parte das universidades e escolas do ensino médio e fundamental”, disse Bolsonaro, no discurso de agradecimento.
 
Na quarta-feira (15/5), O presidente já havia feito críticas aos protestos que ocorreram pelo Brasil. Ao conversar com jornalistas nos Estados Unidos, o presidente minimizou o movimento contra os cortes na área da educação e chamou os manifestantes de "idiotas úteis". "Se você perguntar a fórmula da água, não sabe, não sabe nada. São uns idiotas úteis que estão sendo usados como massa de manobra de uma minoria espertalhona que compõe o núcleo das universidades federais", disse, ao chegar em Dallas.
 
No discurso de agradecimento, o presidente do Brasil também reforçou a parceria que pretende construir com os norte-americanos durante o mandato. "No Brasil, a política até de há pouco era de antagonismo a países como os Estados Unidos. Os senhores eram tratados como se fossem inimigos nossos. [...] O Brasil de hoje é amigo dos Estados Unidos e respeita os Estados Unidos. O Brasil de hoje quer o povo americano e os empresários americanos ao nosso lado", afirmou. 

Bolsonaro citou também a situação com o prefeito de Nova York, Bill de Blasio, que classificou o chefe do Executivo como perigoso e preconceituoso. "Eu lamento muito o ocorrido nos últimos dias, onde não pude comparecer a um evento em outra cidade. Não posso ir na casa de uma pessoa onde alguém de sua família não me queira bem. Mas meu amor, o meu respeito, a minha consideração, por todos os Estados Unidos, inclusive aos nova-iorquinos, continuará", disse sobre a situação. 

No fim, antes de se despedir, Bolsonaro disse que usaria o próprio chavão usado na campanha presidencial, mas o modificou. Em vez de usar a frase "Brasil acima de tudo, Deus acima de todo", o presidente falou: "Brasil e Estados Unidos acima de tudo. Brasil acima de todos".

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade