Publicidade

Correio Braziliense

Damares quer redução de tempo para adoção e sugere apadrinhamento de idosos

Em seminário realizado na Câmara dos Deputados, ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos reclama de burocracia para se adotar crianças e adolescentes no país e revela campanha para estimular famílias a acolherem idosos


postado em 21/05/2019 18:04

(foto: Jose Cruz/Agencia Brasil)
(foto: Jose Cruz/Agencia Brasil)


A ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, disse nesta terça-feira (21/5), durante seminário sobre adoção realizado na Câmara dos Deputados, que a pasta tem a iniciativa de lutar pela desburocratização do processo para se adotar crianças e adolescentes no país. Segundo ela, a atual legislação desestimula as famílias e é necessário evitar que "crianças fiquem anos aguardando um pai e uma mãe".

"O tempo para que a adoção seja finalizada é angustiante. Conheço pessoas que estão há seis anos na fila. O quartinho da criança já está pronto, mas esse menino ou menina continua em um abrigo. Abrigo não é lugar de criança. Portanto, a partir do momento que desburocratizarmos esse processo, incentivaremos mais pessoas a adotar", explicou.

Para ela, o ideal é que todo o procedimento levasse, no máximo 9 meses — período similar ao de uma gestação. "Temos de antecipar esse 'parto'. Entre a destituição do pátrio poder, o pedido da adoção e o seu deferimento, a família não pode aguardar mais do que 9 meses. Quanto mais rápido a família conseguir um desfecho, melhor será."

Damares também comentou que o ministério vai incentivar políticas públicas de adoção tardia. "A maioria das crianças que chega aos abrigos atualmente já tem mais de 3 anos. Trarei experiências exitosas, como a minha, para mostrar que a adoção tardia dá certo. Há 15 anos, tive uma 'gestação de cinco minutos', quando decidi adotar uma menina de apenas 6 anos, e não me arrependo. Toda criança precisa de um lar", afirmou. 

Até agosto, segundo a ministra, será apresentada uma campanha da pasta de incentivo à adoção de idosos. "A nossa nação está esquecendo os idosos, e o atual governo vai implementar políticas públicas para que nenhuma pessoa seja deixada para trás. A adoção dos idosos pode ser de forma socioafetiva ou de apadrianhamento, mas é certo de que também temos de tirar esse público dos abrigos", analisou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade