Publicidade

Correio Braziliense

Moro diz que jornalistas também tiveram celulares hackeados por 'grupo criminoso'

A matéria divulgada pelo ministro, no entanto, não associa diretamente a invasão do telefone de repórter com os vazamentos de conversas de integrantes da Lava-Jato


postado em 11/06/2019 10:08 / atualizado em 11/06/2019 10:08

(foto: Michel Dantas/AFP)
(foto: Michel Dantas/AFP)
O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, compartilhou em seu Twitter reportagem que informa que um jornalista teve sua conta no aplicativo de mensagens Telegram invadida por um hacker no dia 11 de maio. A matéria foi postada pelo ministro com a legenda "além de juízes e procuradores, jornalistas também tiveram celulares hackeados pelo mesmo grupo criminoso".

 


A matéria do jornal O Globo, no entanto, não associa diretamente a invasão do telefone do repórter Gabriel Mascarenhas com os vazamentos de conversas de integrantes da Lava-Jato. De acordo com o texto, o repórter teve seu celular invadido no dia 11 de maio e a empresa comunicou formalmente o ocorrido à Procuradoria-Geral da República (PGR).

Em pouco mais de 20 minutos, o post do ministro já tinha mais de 900 compartilhamentos, 4 mil curtidas e mais de mil comentários, que se dividem entre mensagens de apoio à Lava-Jato e pedidos de renúncia do ex-juiz. Às 8h (de Brasília), três dos dez principais assuntos do Twitter no Brasil se referiam aos vazamentos, com as hashtags "OAB por que não te calas" e "Lula Livre Terça" em segundo e terceiro lugar, respectivamente.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade