Publicidade

Correio Braziliense

Após vazamentos, Moro deve prestar esclarecimentos no Senado e na Câmara

Foram marcadas audiências nas Comissões de Constituição de Justiça das duas Casas para os dias 19 e 26 deste mês


postado em 11/06/2019 18:33 / atualizado em 11/06/2019 18:55

(foto: Evaristo Sa/AFP)
(foto: Evaristo Sa/AFP)
O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, deve comparecer às Comissões de Constituição e Justiça do Senado e da Câmara, respectivamente, nos próximos dias 19 e 26 (ambos, uma quarta-feira). 

A primeira visita foi confirmada pela assessoria de imprensa do senador Fernando Bezerra (MDB-PE), líder do governo no Senado. Moro se antecipou a uma convocação e sugeriu as datas de 19 ou 26 deste mês.

Depois da confirmação de que ele será ouvido pelos senadores no primeiro dia, os deputados decidiram convidá-lo para a CCJ da Câmara na quarta-feira seguinte, segundo confirmou ao Correio o líder do governo na Casa, Major Vitor Hugo (PSL-GO). A assessoria do ministro, no entanto, não confirmou as duas visitas. 

Nas duas ocasiões, o ministro deverá ser questionado sobre as conversas divulgadas no último domingo (9/6) pelo site The Intercept, que mostram o então juiz discutindo pontos da acusação do ex-presidente Lula com o procurador da Lava Jato Deltan Dallagnol. 

Pouco antes de Vitor Hugo confirmar a presença de Moro no colegiado no dia 26, o presidente da CCJ da Câmara, deputado Felipe Francischini (PSL-PR), havia sugerido a próxima terça-feira (18/6), para “acabar logo com a obstrução” dos partidos de esquerda. Mas, após conversa com o assessor do ministro Moro, pelo telefone, Vitor Hugo disse que será dia 26.

Plenário

Alguns parlamentares ainda defendem a presença do ministro no plenário, além das comissões. A oposição, na verdade, não tem feito muita pressão pela ida de Moro à Câmara. Os deputados de esquerda dizem que é melhor deixar Moro “sangrando” mais um pouco. Mais cedo, um parlamentar do PSB comentou que quem tem pressa é só o governo, que quer acabar com o tumulto para poder avançar com a reforma da Previdência

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade