Publicidade

Correio Braziliense

Demitido da presidência dos Correios, ''sindicalista'' estampa até selo

Em vez de limpar as gavetas, general da reserva Juarez Aparecido de Paula Cunha avisou para um auditório lotado que não sai até a formalização da demissão


postado em 18/06/2019 14:50 / atualizado em 18/06/2019 14:51

(foto: Correios/Divulgação)
(foto: Correios/Divulgação)
Virtualmente demitido pelo presidente Jair Bolsonaro na sexta-feira passada (14/6), num café da manhã com jornalistas, o presidente dos Correios, general da reserva Juarez Aparecido de Paula Cunha, foi trabalhar normalmente nesta segunda-feira (17/6), e, em vez de limpar as gavetas, avisou para um auditório lotado que não sai até a formalização da demissão: "Só vou sair daqui a hora que chegar oficialmente. Aí eu saio, senão, não saio, não". Terminou a palestra aplaudido e vestindo boné de carteiro.

O evento, fechado à imprensa, mas ao qual o jornal O Estado de S. Paulo teve acesso, foi justamente sobre o tema que causou a ira do presidente e sua decisão de demitir o general: a privatização da estatal. Aos jornalistas, Bolsonaro havia dito que tinha anunciado a venda da empresa e Cunha tinha falado o oposto no Congresso, agindo como "sindicalista".

Na véspera do anúncio da demissão, o general havia sido presenteado pela Superintendência dos Correios do Amazonas com um selo personalizado, que ostenta sua fotografia. Na imagem, Cunha aparece junto a um prédio da estatal e do Teatro Amazonas, principal cartão-postal da capital Manaus. Foram impressos 12 desses selos. Os Correios dizem que outros funcionários e personalidades já foram homenageados da mesma forma. Exemplo: o primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu. Não consta que Bolsonaro tenha o seu.

O evento em que o general disse que só sai depois da formalização da demissão ocorreu na tarde desta segunda-feira. Horas depois, à noite, o porta-voz da Presidência, o também general Otávio do Rêgo Barros, afirmou que o presidente ainda não decidiu quando vai efetivar a demissão nem nomear o substituto do general.

Na apresentação desta segunda, o general insistiu no tema privatização. Disse que a decisão sobre a venda do controle da empresa é uma promessa de campanha de Bolsonaro e "ele tem que cumprir", mas acrescentou que esse será um processo muito longo, que pode durar anos.

O general afirmou que havia se comprometido a lutar contra a privatização, mas "até um certo limite". "No momento em que há uma decisão, esse assunto é de responsabilidade do governo." "Já que há uma decisão para que esse processo aconteça", segundo o general, o melhor que os funcionários podem fazer é receber bem os responsáveis pelos estudos da privatização, de forma a fazer um "controle de danos" e "procurar contribuir, acompanhar e defender nossos interesses".

'Serenos'


Cunha foi ovacionado ao levantar o moral dos servidores: "Os Correios não vão acabar, ninguém vai acabar com a empresa e mandar todos os funcionários embora". "Vamos ficar serenos, encarar com naturalidade, sem ninguém se estressar."

Ele disse que a equipe econômica está preocupada com a preservação dos direitos dos funcionários e com o futuro da própria empresa. "Não querem que, lá no futuro, a coisa venha a se deteriorar novamente."

Segundo o general, o modelo a ser adotado na privatização ainda não foi definido. "Uma parte da empresa poderá fazer abertura de capital. Nada disso está definido: como fazer, o tipo de privatização, se é que vai acontecer. Vejam, existem muitos passos aí pela frente, muitos passos", afirmou.

E novamente insistiu. "Sobre o tempo que isso leva? Não sei, eu também não sei. É um caminho muito longo", reconheceu, ressaltando que "não é hora de se estressar e perder noites de sono". "Por isso não temos que nos preocupar com grande antecedência. Não se desgastem com isso."

O general encerrou recomendando aos empregados que continuem buscando bons resultados para tentar influenciar na decisão do governo. "Temos que mostrar que somos uma empresa sólida, que não precisamos do orçamento do governo, tudo isso será considerado quando do processo de privatização", afirmou. "Temos que trabalhar de perto e contribuir para a defesa dos nossos empregados, buscando influenciar nesse aspecto."

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade