Publicidade

Correio Braziliense

Bolsonaro faz apelo para que parlamentares não derrubem decreto das armas

A utilização de armas é uma forma de agricultores protegerem as terras de invasores, sustentou o presidente em lançamento do Plano Safra


postado em 18/06/2019 13:01

(foto: Marcos Correa/PR)
(foto: Marcos Correa/PR)
O presidente Jair Bolsonaro fez apelo para que deputados e senadores evitem aprovar o Projeto de Decreto Legislativo (PDL) 233/2019 no Congresso. O texto susta o decreto 9.785/2019, que flexibiliza o porte e comercialização de armas de fogo e munições. O pedido foi feito ao fim do discurso na cerimônia sobre o lançamento do Plano Safra 2019/2020, sustentando que o instrumento editado por ele e em apreciação no Parlamento é de fundamental importância para os agricultores. 

A utilização de armas é uma forma de agricultores protegerem as terras de invasores, sustenta Bolsonaro. “A segurança do campo é algo importantíssimo e nós ampliamos o porte de armas de fogo em todo o perímetro da propriedade de vocês”, destacou. O PDL será discutido nesta terça-feira (18/6), no Plenário do Senado. Se aprovado, seguirá para a Câmara. “Assim sendo, faço apelo para deputados e senadores, nossos eternos aliados no Congresso. Não deixem esse meu decreto morrer no Senado ou na Câmara. A nossa vida é muito importante”, ponderou. 

O presidente vem se manifestando corriqueiramente de evitar a derrubada do decreto que, segundo ele, regulamenta o comércio de armas e munições para colecionadores, atiradores e caçadores (CACs). Bolsonaro, no entanto, sugere uma defesa mais ampla, do direito à legítima defesa. No caso dos agricultores, as armas são vistas por ele como forma de proteção. “Vocês sabem o quão difícil é produzir nesse país. E a segurança tem que estar acima de tudo. Acredito em vocês (deputados e senadores), que vão conversar com os demais colegas para que o decreto não caia. Eu confio em vocês, e vocês têm que confiar em quem está do seu lado quando se fala nesta questão da nossa segurança dentro de nossa propriedade”, destacou. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade