Publicidade

Correio Braziliense

Bolsonaro: ''Moro é um patrimônio nacional, e se depender de mim não sai''

O presidente saiu em defesa do ministro da Justiça enquanto o ex-juiz prestava depoimento no Senado


postado em 19/06/2019 21:29 / atualizado em 19/06/2019 22:19

(foto: Marcos Corrêa/PR)
(foto: Marcos Corrêa/PR)

 
O presidente Jair Bolsonaro saiu nesta quarta-feira (19/6) em defesa do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, enquanto o ex-juiz da operação Lava Jato prestava depoimento no Senado sobre mensagens atribuídas a ele pelo site The Intercept, que o acusa de ter aconselhado procuradores quando comandava a 13ª Vara Federal de Curitiba. Bolsonaro disse que Moro é “um patrimônio nacional” e que, se depender dele, o ministro continua no governo.

Ao falar à Comissão de Constituição e Justiça ( CCJ ) do Senado sobre as conversas vazadas com o procurador Deltan Dallagnol, Moro se defendeu das acusações e disse que não tem apego pelo cargo. Ele afirmou que pedirá demissão do ministério caso sejam comprovadas irregularidades em sua atuação à frente da Operação Lava-Jato.

O ex-magistrado também propôs que o The Intercept entregue às autoridades a íntegra do conteúdo divulgado nas reportagens, para que todas as mensagens sejam tornadas públicas.

Enquanto Moro prestava o depoimento, o presidente Bolsonaro participava de solenidade de formatura de sargentos na Escola de Especialistas da Aeronáutica, na cidade paulista de Guaratinguetá. Ele foi questionado por jornalistas sobre as declarações de Moro.

“Eu também não tenho apego ao meu cargo. Qualquer ministro é livre para tomar as decisões que bem entender. Sérgio Moro é um patrimônio nacional, não é do presidente da República”, afirmou Bolsonaro, antes de ser perguntado sobre uma possível saída do ex-juiz federal no governo. “Se depender de mim, não”, respondeu.

“Sérgio Moro é dono de si, não vi nada de anormal até agora”, declarou o presidente, que acusou, sem citar nomes, o jornalista do The Intercept Glenn Greenwald e seu marido, o deputado David Miranda (PSOL-RJ), de formarem uma “trama” para atingi-lo. Ele citou o episódio em que David Miranda foi detido por espionagem em Londres, em 2013, no auge das reportagens de Greenwald sobre os documentos do ex-agente de inteligência norte-americano Edward Snowden.

“Aquele casal lá, um deles foi detido há pouco tempo na Inglaterra por espionagem, um outro aqui tem suspeita de vender o mandato, e a outra menina, namorada do outro, está fora do Brasil”, disse o presidente. “Atacam quem está do meu lado para tentar me atingir. Vão quebrar a cara, podem procurar outro alvo, esse já era. Sérgio Moro é nosso patrimônio”, afirmou.

Entre a oposição, no entanto, o depoimento de Moro não foi considerado suficiente para responder aos questionamentos sobre sua atuação como magistrado. “Moro, no Senado, mostrou o grau de indigência moral e intelectual de uma boa parte do Sistema de Justiça. Muitos dos seus pares com formação jurídica e ombridade devem estar envergonhados. O Ministro da Justiça que degrada o Brasil. Não ao Fuhrer. A mediocridade comanda a exceção”, criticou, pelo Twitter, o ex-ministro da Justiça Tarso Genro, do PT, que usou uma expressão em alemão associada ao líder nazista Adolf Hitler.

Para o advogado criminalista João Paulo Boaventura, apesar das 9 horas de depoimento de Moro à CCJ do Senado, é necessário que sejam investigados tanto o suposto hackeamento das mensagens trocadas no aplicativo Telegram quanto um possível desvio de conduta de Moro à frente da 13ª Vara Federal de Curitiba.

“É comum a comunicação entre magistrados, promotores e advogados, desde que casual ou protocolar, jamais relacionada a casos específicos e sob julgamento, o que é impróprio e compromete a percepção acerca da imparcialidade do juiz. A título de exemplo recente, em países como a Suíça e os Estados Unidos, tais casos de má conduta resultaram na aplicação de sanção severa”, afirmou Boaventura.

“A sociedade vence não apenas quando os culpados são condenados, mas quando julgamentos criminais, além de justos, se apresentam acima de quaisquer suspeitas. Vale a máxima do provérbio 'À mulher de César não basta ser honesta, deve parecer honesta'. É essencial que se investigue rigorosa e paralelamente, dentro dos limites legais, tanto a cumplicidade e o comportamento impróprio dos agentes públicos quanto o “hackeamento” dos aparelhos”, concluiu o advogado.

“Essa situação grave e inusual que o Brasil está vivendo merece uma análise bidimensional criteriosa, a jurídica e a política, e a fala de Sérgio Moro no Senado deixou isso claro. O juiz Moro não poderia agir como político e o político Moro agora não pode querer agir como juiz”, disse o também advogado criminalista Marcelo Turbay.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade