Publicidade

Correio Braziliense

Marconi Perillo é denunciado por corrupção e organização criminosa

Investigações apontam que o ex-governador de Goiás recebeu propina para beneficiar a Odebrecht em obras no estado


postado em 21/06/2019 11:58 / atualizado em 22/06/2019 08:54

Perillo chegou a ser preso em decorrência dessa investigação(foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
Perillo chegou a ser preso em decorrência dessa investigação (foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
O Ministério Público Federal em Goiás, (MPF-GO) apresentou denúncia contra o ex-governador do estado Marconi Perillo (PSDB). De acordo com o documento enviado à Justiça pelo procurador Hélio Telho, Marconi praticou os crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa. 

Além do ex-governador, outras quatro pessoas também foram denunciadas no âmbito da operação Cash Delivery. Ele chegou a ser preso em decorrência dessa investigação. Segundo a Polícia Federal, Perillo chefiou uma organização criminosa para beneficiar a construtora Odebrecht no estado. 

Em contrapartida, ele recebeu R$ 1,2 Milano. Todo o esquema movimentou R$ 12 milhões, de acordo com o esquema. A empresa teria sido beneficiada em obras públicas, como a construção do VLT, que não chegou a ser concretizado, e a criação de rede de esgoto no Entorno do Distrito Federal.

O montante enviado a Perillo, teria como foco abastecer suas campanhas eleitorais de 2010 e 2014. Os outros denunciados são: Jayme Eduardo Rincón , ex-presidente da Agência Goiana de Transporte e Obras, Márcio Garcia Moura , motorista, Pablo Rogério de Oliveira, ex-policial militar e advogado e o empresário Carlos Alberto Pacheco Júnior.

Defesa

O advogado de defesa de Perillo, Antônio Carlos de Almeida Castro, emitiu a seguinte a nota sobre a acusação:
 
A Defesa técnica de Marconi Perillo vem a público mostrar sua indignação com a Denúncia apresentada dia 17 pelo Procurador Hélio Tello. Não tem a Defesa nenhuma preocupação com os fatos constantes na peça subscrita pelo Sr. Procurador, mas a apresentação desta Denúncia é a comprovação da parcialidade e da perseguição que este Procurador promove, há anos, contra o ex-Governador. Em inúmeras circunstâncias esta perseguição ficou clara como no episódio das providências contra o então candidato ao Senado com claríssimas intenções eleitorais. A Defesa sempre se absteve de qualquer enfrentamento mais duro em respeito à instituição do Ministério Público. Ocorre que agora o Dr. Procurador rasgou o véu e perdeu o pudor. O Exmo. Dr. Leão Aparecido Alves, Juiz Titular da 11ª Vara Federal de Goiânia, em 23 de maio, declinou da competência da Justiça Federal, no caso concreto, e determinou que o processo fosse encaminhado à Justiça Eleitoral, cumprindo decisão do Supremo Tribunal Federal. O processo foi ao Ministério Público para simples ciência e deveria ser encaminhado à Justiça Eleitoral para a manifestação do digno Juiz Eleitoral. Intempestiva e atrevidamente, o Dr. Procurador, inconformado, não querendo abrir mão do processo, como se isto fosse possível, apresenta Denúncia SEM TER COMPETÊNCIA para tal. Um desafio e um desrespeito à sua Excelência, o Juiz Titular, que já havia despachado declinando a competência. Um desserviço ao Poder Judiciário e um ato que não reflete a postura sempre digna e sensata da instituição do Ministério Público Federal. Quer a Defesa grisar, mais uma vez, que o ex-Governador não teme o enfrentamento dos fatos e tem absoluta confiança na sua total inocência, mas tem que responder frente ao Juízo competente. Em respeito ao Judiciário não teceremos nenhum comentário sobre o mérito, por entender que há uma clara usurpação de competência e abuso de poder e, mais uma vez, uma odiosa perseguição que deve ser apurada com a devida responsabilização. A Defesa ressalta a absoluta confiança na instituição do Ministério Público e no Poder Judiciário.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade